Conheça a origem da amizade entre Nathan Drake e Victor Sullivan

Cartagena é uma cidade que combina com Uncharted . Localizada na Colômbia, é até hoje uma importante cidade portuária. Por lá passaram av... (por Marcelo Alonso em 16/08/2013, via PlayStation Blast)


Cartagena é uma cidade que combina com Uncharted. Localizada na Colômbia, é até hoje uma importante cidade portuária. Por lá passaram aventureiros, piratas e conquistadores, não haveria escolha melhor, portanto, para ambientar o primeiro encontro entre 3 personagens importantíssimos do PS3, Nathan Drake, Victor Sullivan e Katherine Marlowe.


É nessa cidade histórica que os jogadores têm pela primeira vez um vislumbre do passado de Nathan, uma bela surpresa para os desavisados e um dos melhores momentos do PS3. Atrás de uma exposição sobre Francis Drake, Nathan chega ao museu de Cartagena (bom, ele deu os pulos dele e chegou lá, é o que importa) e se depara com Victor Sullivan se preparando para fazer uma cópia da chave que dá acesso ao precioso anel de Drake e ao decodificador que o acompanha. Não é possível determinar se Nathan apenas viu uma oportunidade ou se já estava atrás do anel, assim como muitas outras coisas ao longo desta fase.

O início da amizade


Depois disso o jovem segue Sullivan e consegue roubar a tal chave, mas não sem Sully perceber e supreender o garoto logo depois. Nesse momento já é possivel perceber a prepotência de Nathan em achar que consegue se livrar de qualquer coisa, tema principal da terceira aventura. Nesse trecho da perseguição também é possível admirar a beleza da cidade, fielmente reproduzida pela Naughty Dog, cheia de cores e detalhes.




Depois de uma conversa com Sully percebemos que Nathan enganou o velho (ainda não tão velho) fingindo ter roubado sua carteira e devolvendo-a logo depois, mas sem a cópia da chave. Mais tarde, Nathan (já com o anel em mãos) é pego com a mão na massa pelo casal Sully e Katherine. Katherine quer dar um sumiço na criança, surpreendendo Victor que intervém em defesa do futuro herói. Nisso inicia-se uma fuga desesperada pelos telhados da cidade, com uma bela sequência e uma fotografia exemplar. Nathan consegue se desvencilhar dos capangas de Marlowe, sempre com Victor acompanhando-o além da nossa visão, até o momento em que Drake se vê sem saída e é salvo por Sully.



O passado revelado


Aqui acontece um dos diálogos mais significativos da série, com os dois personagens sentados em um bar. Mesmo após tudo isso, Nathan ainda se mostra completamente fechado às tentativas de aproximação de Sully, sugerindo a presença de um trauma profundo ou um problema de confiança muito forte, que inclusive pode ser a origem dos problemas de Nathan com Elena, já que pouco é falado sobre isso também. E é nesse dialogo que vemos Nathan afirmar pela primeira vez ser descendente de Francis Drake (é a primera vez, suponho eu, que Nathan afirma isso na vida, não na série), porém fica bem claro que ele está mentindo sobre o assunto e que isso não passa de uma fantasia criada por um garoto órfão na tentativa de conferir importância a si, iludindo-se de que ele mesmo abandonou seus familiares na busca por sua origem e não de ter sido abandonado pela família. Sully, comovido por perceber esses aspectos e provavelmente por já ter vivido uma história parecida, vê potencial no garoto e oferece uma parceria, o que pode ser interpretado como uma oportunidade de oferecer uma ajuda que não recebeu quando se encontrava em situação parecida.




E com esse diálogo, a Naughty Dog fecha um dos mais belos capítulos da trilogia, que além da surpresa de jogar com o pequeno Nathan, nos mostra um pouco mais da personalidade dos personagens que já estavam estabelecidos no nosso imaginário e desenvolve a partir daí um sentimento maior de carinho, preocupação e responsabilidade entre eles ao longo do restante da aventura.



Revisão: Marcos Vargas Silveira
Capa: Vitor Nascimento
Marcelo Alonso é formado em Cinema pela Faap. Seu sonho é que a linha entre cinema e videogames fique cada vez menos perceptivel. A vontade de discutir sobre o assunto o levou a escrever textos para o Blast. Pode ser achado no Facebook e no Twitter.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook