Game Music

Relembre a trilha sonora que embalou muitos banhos de sangue no Olimpo de God of War (PS2)

Para entender um pouco da música que ambienta as batalhas de Kratos , o contexto no qual a história está inserida é muito importante. Tudo... (por Franco Jazon Caires em 31/08/2013, via PlayStation Blast)

Para entender um pouco da música que ambienta as batalhas de Kratos, o contexto no qual a história está inserida é muito importante. Tudo se passa na Grécia Antiga, mas não apenas antiga, é uma Grécia lendária cheia de seus mitos mais famosos e fantásticos. Portanto, não pediria uma trilha menos épica. Todas as músicas que ecoam nos templos e locais do game são grandiosas e “casam” com o clima do jogo, seja nas batalhas mais frenéticas ou nos momentos mais calmos. Composta por Gerard Marino, Ron Fish, Mike Reagan, Cris Velasco, Winifred Phillips e Winnie Waldron, as trinta e uma faixas orquestradas acompanham o espartano durante sua vingança contra o Deus da guerra.

O Fantasma da ópera

Tudo começa com a narrativa de “Escape from the madness” que introduz as palavras de Kratos:
- The Gods of Olympus have abandoned me… now there is no hope.
A história do capitão espartano se inicia com uma de suas batalhas contra um exército de bárbaros. Estes, em maior número, foram capazes de deter os espartanos e vencer seu capitão. Kratos então usa seu último recurso no momento em que sua derrota era iminente: uma oração ao deus da guerra, Ares, a quem ele lhe oferecia sua servidão eterna em troca da vitória contra os bárbaros. O deus, por sua vez, concede a vitória ao capitão e lhe dá as Blades of Chaos, duas espadas presas a correntes que nunca mais se soltariam do guerreiro. Kratos passa a servir seu deus, batalhando em nome de Ares. Mas, mal sabia ele que aquilo resultaria na sua maior tragédia: a morte de sua família pelas suas próprias mãos, graças a um plano de Ares para que seu guerreiro se tornasse o soldado perfeito. No entanto, ao invés disso, o espartano se arrepende e busca pela deusa Atena e seu auxílio.

Escape from Madness by Gerard Marino on Grooveshark

É importante dizer que Kratos não morre por intervenção de Atena. Ela diz ao guerreiro, que agora seria conhecido como Fantasma de Esparta, que ele deve matar Ares para apagar seus pecados. Podemos entender um pouco mais graças à faixa de “Have Faith” que conta o encontro entre o mortal e a deusa da sabedoria.

Have Faith by Gerard Marino on Grooveshark

Ela então o guia à cidade de Atenas. Nas faixas seguintes, “The Vengeful Spartan” e “Kratos and the Sea” dão o tom da jornada de Kratos até a capital ateniense, após uma viagem de barco e de algumas batalhas. Estas canções se alternam em momentos grandiosos, dignos do início de uma jornada épica e momentos que dão certo ar místico, principalmente na faixa “The Splendor of Athens”.

The Vengeful Spartan by Gerard Marino on Grooveshark Kratos and the Sea by Gerard Marino on Grooveshark The Splendor of Athens by Mike Reagan on Grooveshark

Ao chegar à capital ateniense, começa uma série de batalhas e a faixa “This City Will Be Your Grave” nos lembra de um exército que marcha para a batalha, ao som dos tambores ao fundo.

This City Will Be Your Grave by Gerard Marino on Grooveshark

A partir desse ponto, músicas como “Athenian Battle” ou “Athens Rooftops Fighting“ são temas para Kratos nas lutas em Atenas. A primeira é um pouco mais repetitiva devido à falta de variação na música, mas fica marcada pela percussão, típica da região da Grécia e proximidades, principalmente à Turquia. Aliás, essa proximidade natural das duas regiões gerou influências culturais e musicais entre elas. Muitos instrumentos típicos e costumes musicais marcados por essa influência citada estão presentes nas composições da equipe criativa da Sony. Não é difícil notar a percussão típica turca em grande parte das músicas. Já na segunda melodia, o destaque fica por conta dos instrumentos de sopro, como num musical épico.

Athenian Battle by Mike Reagan on Grooveshark Athens Rooftops Fighting by Gerard Marino on Grooveshark

Há ainda, nesta parte do jogo, outras músicas para momentos específicos como “Mind The Cyclops” na primeira aparição dos ciclopes e “Save The Oracle Challenge” na batalha para proteger o oráculo de Atenas. Merece destaque “The Great Sword Bridge of Athena”, uma das melhores músicas do jogo, graças principalmente aos vocais femininos e à seção de cordas executada durante a canção. É para ouvir em alto volume e se arrepiar.

Save The Oracle Challenge by Gerard Marino on Grooveshark The Great Sword Bridge of Athena by Gerard Marino on Grooveshark

Além de ter seu próprio tema, o oráculo também tem uma informação importante para Kratos. Ele diz ao Fantasma que o poder necessário para derrotar Ares está contido na Caixa de Pandora, que está escondida com Cronos, o titã. E que para chegar a ele, o guerreiro deve atravessar o deserto das almas perdidas. O destaque fica por conta de “Battle the Lethal Sirens” que carrega a influência turca das canções executadas em Atenas, mas sem a repetitividade delas. É uma canção que poderia ter sido mais bem aproveitada, se tivesse sido utilizada em outras batalhas. Uma das melhores canções.

Battle the Lethal Sirens by Mike Reagan on Grooveshark
Kratos chega então ao titã e inicia sua busca pela Caixa de Pandora. Ele a encontra no templo, após muitos desafios. Mas Ares, que sabia dos planos de seu ex-servo, o embosca e o mata. Kratos é enviado ao Hades (o inferno ou submundo grego) enquanto Ares toma a Caixa de Pandora para si. Aqui o destaque fica por conta das canções “Zeus' Wrath Divine” e “Hades, God of the Underworld”, ambas criadas por Cris Velasco, integrante da equipe. Ambas são muito boas e remetem bem a seus temas, principalmente a canção sobre o Hades, que tem um tom tenebroso, devido aos vocais em uníssono.

Zeus' Wrath Divine by Gerard Marino on Grooveshark Hades, God of the Underworld by Cris Velasco on Grooveshark

Mas, mesmo sendo jogado no submundo, Kratos não desiste de sua vingança. Com o auxílio de um misterioso coveiro (que apareceu antes, em Atenas) o Fantasma consegue então fugir e retornar à cidade ateniense. Ao retornar, Kratos se dirige diretamente ao ex-mestre Ares e o enfrenta, retomando a Caixa de Pandora. Ele então a abre e obtém poderes divinos, tornando-o capaz de enfrentar o Deus da guerra. Chegamos à batalha decisiva e ao clímax do jogo.

Canção de Batalha

Começa assim a batalha de Ares contra Kratos. Mesmo usando todos os seus poderes e os arrependimentos do Fantasma (como trazer a esposa e filha de Kratos à sua mente), o deus não consegue conter o desejo de vingança de seu ex-soldado. Krato finalmente mata o causador de tanta dor em sua vida. Aqui, destacamos duas faixas: “Duel With Ares” e “The Fury of Ares”.

The Fury of Ares by Ron Fish on Grooveshark Duel with Ares by Mike Reagan and Cris Velasco on Grooveshark

Mesmo tendo salvado a cidade de Atenas, matado o seu algoz e ter sido perdoado, Atena diz a Kratos que seus pesadelos ainda permaneceriam. Entristecido, ele decide tirar a própria vida, mas a deusa intervém e o leva para o monte Olimpo. Pela morte de Ares, os deuses lhe concedem o direito de se tornar o novo God of War. E nada mais justo que a música “Enthroned on Mount Olympus” para o momento, uma canção calma com um vocal feminino, algo similar a uma imagem de um coral de anjos no céu para simbolizar o aspecto divino do Olimpo.

Enthroned on Mount Olympus by Winifred Phillips on Grooveshark

A balada dos deuses

Apesar de nossa viagem através das canções de God of War, há outras que ficaram de fora. Não que elas sejam ruins, longe disso, mas elas são similares às que vimos. De forma geral, elas mantêm bem o clima e não desapontam, mas se ouvidas isoladamente podem soar repetitivas por não variarem seus elementos de melodia. Para quem quiser, é possível ouvir todas online sem problemas. Aliás, é altamente recomendado fazer isso, principalmente se você é fã do game.

Revisora: Catarine Aurora
Capa: Stefano Genachi


Franco Jazon Caires escreve para o PlayStation Blast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook