Jogamos

Análise: LittleBigPlanet 3 (PS4) traz várias novidades à franquia

Sem deixar de lado as características marcantes da série, o título conta com três personagens novos e outras surpresas para o jogador.

Anunciado durante a E3 deste ano, LittleBigPlanet 3 deixou todos animados ao apresentar os três novos personagens que estariam no jogo, que faz a sua estreia no PlayStation 4. O pessoal da Sumo Digital não mediu esforços para trazer a franquia para a nova geração da Sony no mais alto estilo, rodando a 1080p — spoiler: o game está com um visual belíssimo e é o melhor jogo do estilo plataforma com puzzles para o PS4. Há muitas outras novidades no game, e valem a pena serem conferidas.


Todo game da série conta com características marcantes que o identificam. O visual inconfundível, todo criado como se fizesse parte de um trabalho de educação artística de colégio, com papel, madeira e diversos outros materiais, dando um ar lúdico ao game. Vale dizer: ele é recomendado para toda a família. Nesse aspecto, os desenvolvedores sempre tiveram muito capricho e, nessa terceira edição para consoles de mesa, o visual chegou ao seu melhor momento, estando muito caprichado.
Belíssimo visual.
Destaque também é o fato de o protagonista sempre ser um boneco de pano genérico conhecido como sack person — em português, sack pessoa —, que pode ser um garoto (sackboy) ou uma garota (sackgirl), dependendo da sua escolha. Esse pequeno boneco pode ser customizado das mais diversas formas, bem como todo o ambiente do jogo, com adesivos sem fim encontrados pelo game. O carismático e icônico boneco de pano da Sony está de volta no título, mas agora com companhia, como veremos a seguir.
Os novos personagens também podem ser customizados.
A narração é outro ponto que merece comentários, sempre muito bem feita. Para sorte de nós brasileiros, o game está todo em português, com exceção de alguns vídeos de tutoriais. Os dubladores fizeram um trabalho excelente e merecem todo o nosso reconhecimento e apreciação.

Bunkum, os titãs e os três heróis

A trama encontrada em LittleBigPlanet 3 é bem simples e óbvia, mas com diálogos e NPCs (personagens não-jogáveis) divertidos. O mundo de Bunkum deve ser salvo de três titãs monstruosos que sugam a criatividade. Para isso, você deve resgatar três heróis que já haviam derrotado esses mesmos titãs antes, para ajudá-lo nessa empreitada.

Desde o seu anúncio na E3 deste ano, os fãs da franquia estavam ansiosos para ver os três novos personagens, afinal, até então apenas o sackboy e sackgirl estavam à nossa disposição. Eles são Oddsock, que seria um tipo de cachorro, capaz de correr rápido, saltar distante e apoiar-se nas paredes para pular na direção contrária; Toggle, um personagem dois-em-um, que ora é um grandão, pesado e forte, ora um baixinho, rápido e com pulo longo — basta apertar L1 para alternar; por fim, Swoop, que é um sack pássaro, capaz de voar livremente, bem como dar rasantes velozes e ainda carregar objetos no ar.

Como é possível notar pelas características de cada novo personagem, eles alteram substancialmente a jogabilidade. Enquanto o sack pessoa mantém aquele mesmo passo lento com saltos flutuantes de antes, os demais acrescentados avançam pelo cenário de forma bem distinta, dando um impulso revigorante à franquia, com diversas possíveis novas interações daqui para frente.



Os novos heróis não estão à disposição logo de cara, sendo necessário resgatá-los, estando cada um em um mundo diferente. Verdade seja dita, apesar de ser uma novidade muito bem-vinda, os novos personagens não foram adequadamente aproveitados. De fato, foi uma pequena amostra do grande potencial dos mesmos, que certamente serão melhor aproveitados nos próximos jogos da série. Em LBP 3, entretanto, eles não apareceram como todos esperavam: juntos ao bel prazer dos jogadores. É necessário desbloquear cada um em sequência, usando o seu sack pessoa. Mesmo depois de desbloquear o primeiro (Oddsock), não é possível utilizá-lo para resgatar o segundo. E ao conseguir libertar todos os três, ainda assim eles não estarão disponíveis para escolher à vontade, pois a escolha continua sendo feita pelo próprio jogo. Daí, eles vão sendo utilizados alternadamente, sem decisão por parte do jogador, mesmo que seja uma partida multiplayer. Neste caso, todos usam o mesmo personagem.


São quatro mundos e em três deles há um herói para resgatar. Após o resgate, é possível escolhê-lo para explorar a área do seu respectivo mundo. Essa é a forma de jogar com dois personagens diferentes ao mesmo tempo. Mas com os quatro não será possível, pois a janela de seleção só permite escolher aquele herói salvo naquele mundo, e não os outros dois. Uma pena, principalmente para quem, como eu, queria jogar com os quatro juntos.
Um herói de cada vez.

Dispositivos novos

Durante as fases, ainda somos apresentados a novos poderes que o sack pessoa pode utilizar, através de dispositivos sem os quais não é possível completá-las, já que elas foram projetada especialmente para o seu uso. O primeiro é uma espécie de secador de cabelos que pode soprar ou sugar ar, servindo para empurrar ou puxar objetos; depois encontramos o capacete, ele serve para prender o seu boneco a fios que ligam as plataformas; em seguida, uma pistola que lança bolas que servem para alcançar portais e teletransportar o personagem; há ainda botas a jato que dão um pequeno boost no ar, permitindo alcançar locais mais distantes; o último é uma lanterna que serve para descobrir itens secretos.
Dispare a bola no portal e apareça nele em seguida.
É muito interessante como as fases nas quais os dispositivos são encontrados foram elaboradas para eles, permitindo uma jogabilidade muito divertida. Eles também podem ser utilizados para explorar o cenário atrás de itens cujo acesso esteja ligado ao uso deles. Em compensação, depois eles serão deixados de lado, praticamente sem uso necessário nas fases seguintes. Faltou o pessoal da Sumo Digital mesclar melhor o uso deles, mas já podemos perceber um grande potencial para a franquia, ou mesmo DLCs.

Jogo curto com carregamentos demorados

O jogo é curto, mas há missões paralelas para expandir o tempo de jogatina. São fases opcionais bem divertidas, como montar um carro para competir contra um NPC muito gente boa. Sem perceber, você passa boa parte do tempo tentando montar o carro perfeito para vencê-lo. Há muitas outras side quests como essa espalhadas pelos mundos do game, e valem a pena serem jogadas.
Não foi dessa vez, mas eu consegui vencer a corrida.
Um problema do jogo, recorrente na franquia, são as longas telas de carregamento. Basta entrar em uma nova fase ou mundo para aguardar 20 ou 30 segundos, podendo passar de um minuto de espera. Mesmo com um console potente como o PlayStation 4, o pessoal da Sumo não conseguiu tornar o game mais dinâmico entre fases.
E lá se vão 30 segundos ou mais de espera...

Jogar, criar, compartilhar

O ponto forte da franquia LittleBigPlanet é o multiplayer. Em qualquer momento da jogatina, até outros três jogadores, locais ou online, podem entrar na sua partida — com a sua permissão, claro. Isso facilita muito, pois há diversas áreas do título que só podem ser jogadas por dois jogadores, ou quatro — o critério fica estampado no início do trecho. Então, mesmo que você não tenha o número necessário localmente, qualquer amigo ou desconhecido podem entrar para ajudá-lo, e você a eles.
Aceitar ou não o multiplayer é opção do jogador.
O melhor mesmo é a comunidade LBP. Todos os jogos da franquia contam com um editor de fases muito elaborado que, em LBP 3, está ainda mais completo. Todo tipo de fase pode ser criada, o que é uma boa para as pessoas criativas com habilidades de construção e tempo livre — o que não é o meu caso. Para ensinar o uso das ferramentas de edição, além de vídeo-tutoriais, o game traz um mundo (Popit Puzzles) onde você é apresentado a elas de uma forma bem divertida e intuitiva, com um NPC como professor.
Entre na Academia Popit e aprenda a criar fases criativas.
As fases criadas pelos jogadores pelo mundo são compartilhadas na área "Comunidade". Para facilitar a vida de quem quer jogar uma delas, são separadas por mais visitadas, mais adoradas, favoritas da equipe (Sumo Digital) e opções do gênero. São níveis muito criativos, ainda mais que sub-níveis agora podem ser criados, e até um mundo próprio. Como é costume, milhões (sim, milhões) de fases são criadas, então sempre haverá uma fase nova, e de qualidade, para conferir. Lembrando que elas podem ser jogadas por até quatro jogadores de uma vez.

Que tal essa fase criada por um jogador, baseada nos Caça-Fantasmas?

Contando com o mesmo espírito da série — jogar, criar e compartilhar —, LittleBigPlanet 3 trouxe diversas novidades à série, principalmente os personagens novos (Oddsock, Toggle e Swoop). Esse enorme potencial adicionado à franquia não foi devidamente aproveitado no jogo, mas abre muitas portas para os próximos títulos que virão.

Pros

  • Novos personagens e dispositivos acrescentam muito à franquia;
  • Criador de fases melhor e mais acessível do que nunca;
  • Visual belíssimo;
  • Totalmente localizado em português do Brasil.

Contras

  • Falta de liberdade na escolha dos personagens;
  • Telas de carregamento demoradas.
LittleBigPlanet 3 — PlayStation 4 — Nota: 8.5
Revisão: Leonardo Nazareth
Capa: Diego Migueis
Alberto Canen é formado em Direito pela UFRN. Joga videogame desde os tempos do Atari e sempre acompanha as novidades na indústria de jogos. Está no Facebook e no Twitter.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook