Hands-on

Digimon Story: Cyber Sleuth (PS4/PSVita) repete fórmulas de sucesso

Em um café da manhã com a Bandai Namco, jogamos as aventuras dos monstrinhos digitais na nova geração e sentimos certa familiaridade.


Quem cresceu na década de 1990 consegue ter boas lembranças de uma época em que diversos animes fizeram um enorme sucesso. Apesar de o maior destaque ter sido para Pokémon, que atraia fãs tanto para a frente da televisão quanto para os portáteis, outro desenho chamou a atenção de muita gente: Digimon. Com criaturas que falam a língua humana e transformações enormes, há quem até hoje sinta falta de jogos com uma boa qualidade.


Ocorreu nesta segunda-feira, 24 de agosto, um café da manhã com a Bandai Namco, onde pudemos experimentar futuros lançamentos em um espaço descontraído. Dentre os títulos estava Digimon Story: Cyber Sleuth, que já foi lançado no Japão em março e chegará por aqui em 2016, para PlayStation 4 e PS Vita.

Um universo digital

Feito com o apoio de muitos fãs, a adaptação para o mercado ocidental ocorreu após uma enorme petição´, e parece estar recebendo grande atenção. A história gira em torno de uma jovem que vive em um mundo invadido por hackers, que precisam ser derrotados através de batalhas digitais.
É muito legal caminhar pelo cenário e ver suas criaturas seguindo os seus passos (mesmo que não haja interação com os seus corpos — chegamos a atravessá-los em alguns momentos).

Com o pouco tempo que tivemos para experimentar, pudemos entender um pouco sobre a mecânica do jogo. Com visuais detalhados para os monstros e personagens — os cenários deixavam muito a desejar — as batalhas traziam a sensação de assistir a um episódio do desenho, com animações e traços característicos do anime. Para lutar era preciso andar pelo espaço até que a imagem escurecesse e os monstros aparecessem na tela, assim como as batalhas nas cavernas de Pokémon.
O jogo apela para a nostalgia, trazendo monstros como Greymon com muitos detalhes.

As semelhanças com os jogos da turma de Pikachu não terminam ali. Adotando as mesmas estratégias, é preciso escolher os ataques em um menu e pensar nos seus efeitos perante as criaturas adversárias. Não houve muita dificuldade, tendo em vista que os elementos base continuavam presentes: plantas venciam de água, que venciam de fogo. Apesar de não haver muita inovação, tudo fluiu muito bem e em poucos minutos estávamos trocando de criaturas para causar maior dano.
A sensação de tamanho é muito bem explorada, com criaturas enormes na tela, sem quedas de velocidade e animações fluidas. Do lado direito, vemos a ordem de ataques durante as batalhas.

Uma geração errada

Infelizmente, o que vimos do restante do jogo não nos agradou muito. Os cenários sofrem com repetições e barreiras invisíveis, dificultando a experiência. O analógico direito não tinha nenhum uso, deixando a câmera estática — a sensação era a de jogarmos algo de um portátil, com todas as suas limitações, em uma tela enorme. Considerando o fato de o jogo já existir no oriente, as chances são a de encontrarmos um produto sem melhorias neste quesito, nos fazendo indagar se não seria melhor que ele fosse lançado para a geração anterior.
É possível atacar, mudar de criaturas, usar ataques especiais e itens durante as batalhas. É importante estudar os efeitos de tudo para criar boas estratégias.

Ainda assim, o potencial de Digimon Story: Cyber Sleuth é enorme. Seja você fã do desenho original, encontrando nostalgia e familiaridade com o universo, ou jogador de JRPG, deverá encontrar muita diversão. Há diversos sistemas de customização, permitindo a escolha de diversas criaturas, golpes e estratégias, trazendo a famosa ideia de colecionar monstros de volta aos consoles de mesa. Enquanto a Nintendo mantém os direitos de Pokémon, esse talvez seja o melhor jeito de ter uma experiência semelhante nos consoles da Sony, aparentemente divertida.

Capa: Diego Migueis
Leandro Rizzardi se aventura nas terras de redação de games, livros e roteiros de fantasia. Extremamente apaixonado por universos imaginários, descobriu nos videogames o lugar perfeito para viver — o que resultou no crescimento de sua barba. Pode ser encontrado em seu Facebook, quando não estiver jogando.

Comentários

Google+
0
Disqus
Facebook