Perfil

Jodie, de Beyond: Two Souls, é mais do que apenas uma garota

Conheça a vida conturbada desse garota que viveu no limiar de dois mundos.


Ellen Page fez um trabalho fantástico ao interpretar a jovem Jodie em Beyond: Two Souls. Ela desenvolveu tão bem a personalidade da garota, que ela poderia ser real. Mas, não foi só a atuação da atriz o fator responsável por criar uma personagem tão interessante. Jodie possui uma história intrigante, cheia de curvas e obstáculos, que merece ser explorada tão profundamente quanto seu amigo sobrenatural Aiden conseguia ver.
CUIDADO: O texto a seguir contém spoilers para quem não jogou Beyond: Two Souls. Leia por sua conta e risco!

Nunca sozinha

Beyond: Two Souls oferece ao jogador a opção de vivenciar a história de Jodie em ordem cronológica ou em uma ordem “não tão aleatória” dos capítulos. Apesar da ordem normal ser a opção mais recomendada, a melhor forma de compreender a vida de Jodie é através do formato original do game. Os desenvolvedores conseguiram montar uma estrutura narrativa boa o suficiente para que o jogador consiga compreender o desenvolvimento da personalidade da jovem, além dos altos e baixos de sua vida quase solitária. Quando pensamos que estamos perto de entender o que se passa pela cabeça de Jodie, o game nos traz um capítulo com uma visão totalmente diferente, demostrando a complexidade da história.

Mas, por que a história de uma garota seria tão complicada? Pelo menos, a primeira impressão que o jogador tem dela é a de uma jovem frágil e desorientada, envolvida por uma atmosfera de mistério que poderia sugerir uma trama de investigação policial. No entanto, as aparências sempre enganam. Jodie não é apenas uma simples garota. Desde o início de sua vida, ela esteve acompanhada por uma entidade sobrenatural que ela considerava ser o seu amigo imaginário. Seu nome era Aiden. E ele era muito mais do que um espírito do além. E aos poucos, Jodie vai descobrindo isso.

Por ser adotada, Jodie nunca conheceu seus pais e, por mais que sua família adotiva se esforçasse para lhe dar uma vida melhor (mesmo conhecendo sua situação única), Aiden sempre foi a sua única companhia. Jodie acaba descobrindo que Aiden não apenas podia se comunicar com ela, mas também podia usar sua energia para mover objetos, possuir outras pessoas e até feri-las. E não foi uma experiência fácil aprender a controlar esses poderes. Esse foi o motivo pelo qual a sua família não teve outra opção a não ser colocá-la sob os cuidados do doutor Dawkins no instituto de estudos parapsicológicos do governo americano.

Durante a sua estadia na instalação científica, Jodie descobriu que os cientistas estavam investigando profundamente o mundo dos espíritos, o InfraWorld, e buscavam maneiras de adentrar nessa dimensão para estudar as energias que lá existiam e que talvez poderiam ser usadas para propósitos militares. O problema era que Jodie temia que existisem por lá mais do que apenas espíritos bons como Aiden. Desde criança, ela havia sido perseguida por terríveis criaturas das trevas, que Aiden sempre conseguiu manter afastadas dela. Seus terrores se confirmam quando os americanos tentam criar e abrir um portal, um completo desastre. Mesmo arriscando a sua própria vida, Jodie entra nas instalações destruídas, derrota os espíritos malignos e fecha o portal. É uma pena que este não seria seu último encontro sombrio.

Pelo que podemos observar durante o tempo em que a jovem passou nas instalações, percebemos que, apesar de se sentir como um rato de laboratório, foi lá que ela realmente encontrou sua família de verdade. Ela cresceu ao redor de Dawkins e sua equipe, enquanto aprendia mais sobre seu companheiro sobrenatural e como utilizar seus poderes para benefício próprio, apesar de alguns problemas que ocorriam várias vezes. Quando finalmente parecia que ela estava em um “lar”, podendo se acostumar a essa vida, seu mundo sofre mais uma reviravolta quando  a CIA decide que é hora de utilizar o seu “talento” para algo mais útil.

Contra tudo e contra todos

Na CIA, Jodie foi treinada para ser uma agente de primeira linha, tanto no âmbito físico quanto psicológico. Ela se torna forte, confiante e determinada. Ela também aprendeu a utilizar os poderes de Aiden de forma a lhe auxiliar durante suas futuras missões. Com os poderes dele, Jodie era capaz de investigar inimigos em diferentes cômodos, criar distrações e até derrubar seu alvo apenas com os poderes psíquicos de seu companheiro sobrenatural. Foi assim que Jodie se tornou uma das melhores agentes da CIA e um “arma poderosa” para seus superiores.Tudo parecia ir bem, pois ela tinha um objetivo na sua vida, além de um interesse por seu colega Ryan. Mas, “reviravolta” parece ser a palavra que rege o destino de Jodie, e tudo mudaria em breve.

O clímax acontece quando Jodie cumpre uma missão de alto risco em um país em guerra civil na África. Ela é enganada pelos seus superiores e é induzida a matar um líder populista que poderia salvar o país. Nesse momento, ela percebe o quanto ela e os seus poderes podem ser utilizados para fins horríveis. Em revolta, ela foge da CIA e se torna uma inimiga pública número um dos Estados Unidos. Nessa fase, Jodie vai de uma cidade a outra, encobrindo seus rastros e nunca parando em lugar nenhum. Sem poder se livrar de Aiden, ela tenta se matar, mas o espírito a impede de todas as formas. Ao ser salva por Stan, um mendigo, Jodie tenta ajudar os outros desabrigados utilizando seus poderes, tentando se sentir útil. Infelizmente, nem mesmo essa vida simples dura muito tempo e, quando ela menos espera, ela está fugindo da CIA novamente.

Um dos grandes momentos em que Jodie talvez tenha conseguido encontrar um sentido para a sua existência foi quando ela encontrou uma família de descendentes de índios Navajos no meio do deserto de Nevada. O que parecia ser apenas um lugar para conseguir algumas noites de sono e um pouco de comida, revelou ser uma aventura em que ela pôde compreender mais sobre os monstros que a assustavam desde a infância. Jodie descobre que a família indígena é assolada por um ser maligno durante anos, despertado pelos seus ancestrais há muito tempo. O objetivo dessa conjuração era para combater os colonizadores, mas tudosaiu do controle. Depois de quase morrer, Jodie consegue, com a ajuda de Aiden, abrir um portal para o InfraWorld e devolver o espírito para lá. Ao deixar a família para trás em segurança, Jodie percebe que a sua vida é mais importante do que ela pensava, e que ter Aiden ao seu lado não é uma maldição afinal, mas um dom.

Vida ou morte?

Depois de já ter abandonado a ideia de encontrar a sua mãe bioloógica, Jodie inesperadamente recebe uma pista sobre o paradeiro dela e corre para procurá-la. Mesmo descobrindo a sua mãe totalmente dopada com remédios neurológicos, Jodie consegue se comunicar com ela com a ajuda de Aiden e descobre a terrível verdade: sua mãe também é capaz de utilizar poderes paranormais e, por isso, passou por experiências e estudos, assim como ela. Sabendo disso, os militares tiraram Jodie ainda bebê de sua mãe durante o nascimento e a mantiveram trancada no hospital. O pior é que, mesmo conhecendo a verdade, ela concorda em fazer um último trabalho para a CIA. É nesse momento em que ela encontra Ryan novamente e o seu coração bate mais forte.

Os dois agentes e uma equipe partem para o norte da China para destruir uma instalação militar construída sobre um portal, descoberto no fundo mar. Sobrevivendo aos perigos e até à tortura, Jodie e Ryan conseguem concluir a missão com a ajuda de Aiden e voltam para os Estados Unidos com planos de tentar construir uma vida juntos, se a CIA finalmente decidir largar do pé da jovem, claro. É uma pena que a agência de inteligência americana não pense da mesma forma.Muito menos o doutor Dawkins, que acredita ter finalmente encontrado uma forma de se comunicar com os espíritos. Ele mostra a Jodie que ele foi capaz de construir uma máquina que possibilita visualizar os seres do InfraWorld. Quando essa máquina for usada no portal que os americanos mantém sob controle deles, vivos e mortos viverão juntos.

Mesmo dizendo ao doutor Dawkins que com essa máquina ele estaria ferindo os espíritos de sua família, nada o impede de destruir os controles do portal e criar o caos na instalação militar. Jodie e Ryan quase não conseguem chegar ao núcleo do portal por causa dos espíritos malignos que infestavam o local. No último minuto, enquanto lutava por sua vida no limite entre as duas dimensões, Jodie finalmente descobre o mistério de sua relação com Aiden. Ele era seu irmão gêmeo, natimorto. No fim, eles sempre estiveram juntos, mesmo que em existências diferentes. Independentemente do final que o jogador escolher para a Jodie, o importante é saber que sua história não acaba ao destruir o “Sol Negro” que os americanos criaram. Os perigos do InfraWorld ainda existem e, mesmo vivendo no mundo dos espíritos entre tantas entidades ou com os pés no chão ao lado de quem ama, Aiden sempre estará com ela, para o melhor e para o pior. Por esse motivo, analisar a personalidade de Jodie não significa estudar apenas um personagem, mas dois.



Revisão: Érika Honda
Luis Antonio Costa escreve para o PlayStation Blast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook