Jogamos

Análise: Dissidia Final Fantasy NT (PS4), cristais, batalhas e deuses egoístas

A nova saga expande o número de personagens, prometendo mais conteúdos para os jogadores e trazendo gráficos ainda mais belos

Inicialmente lançado para os fliperamas japoneses, Dissidia Final Fantasy NT (PS4), finalmente Sony, com algumas mudanças e novos elementos para a série. Lançado pela Square Enix, o jogo foi desenvolvido em uma parceria da empresa com as Taito Corporation e Team Ninja, em novembro de 2015, chegando para os consoles só em janeiro de 2018.
chegou para o console da

Deuses egoístas

A trama de Dissidia NT, é centrado na luta entre dois novos deuses, Materia, deusa da proteção, e Spiritus, deus da destruição. Para proteger o mundo da iminente destruição, ambos os deuses reúnem um grupo de guerreiros, com o objetivo de batalhar. Isso tudo para reunir a energia necessária para que o mundo de fato exista. Além disso, usando a memória dos guerreiros, que dessa vez não foi apagada, eles expandem o mundo criando novas áreas.

O fato de ambos os deuses não terem muito conhecimento sobre o mundo chama a atenção dos guerreiros de Materia, que partem para investigar. Eles descobrem a origem dos deuses e o verdadeiro inimigo, na forma do maligno dragão Shinryu, responsável por originar o ciclo de luta entre Cosmos e Caos, os predecessores de ambos os deuses.

A história remete bem aos antigos, sendo interessante e trazendo boa diversão. Porém, para que nós, jogadores, apreciemos essa magnifica história devemos ganhar nível nos outros modos de jogo. Depois disso, seremos recompensados com pontos que permitem desbloquear a história, que também oferecem combates, nos quais, após superados desbloqueiam novos desafios no modo Gauntlet. E é no modo história que encontramos os combates mais desafiadores e divertidos, que ocorrem contra as próprias invocações que podemos utilizar durante as partidas.

Essa forma de conhecer a história força um pouco o jogador a experimentar os outros modos, demonstrando dessa forma que o modo história não é o foco do jogo, apesar de ser interessante, possuindo belas animações e combates excitantes. Ele existe como um bônus, agradando os jogadores e chamando a atenção dos jogadores casuais para a breve história contendo diferentes personagens.

Jogabilidade

Inicialmente a interface do jogo pode parecer intimidadora, causando confusão, já que ela é bem poluída, possuindo diversos números e efeitos na tela. Sua jogabilidade se assemelha a de seus predecessores, como os dois tipos de ataque presentes e o dash , tendo a adição de novas mecânicas, dando um desafio maior para os jogadores.

Mas Falemos primeiro sobre as formas de ataque, que podem ser ataques de Bravery ou de HP. Bravery é o numero que fica em cima da barra de vida, ele pode ser aumentado com buffs e principalmente atacando seus inimigos. Cada personagem possui nove animações diferentes para os ataques dessa forma, que podem ser usados em combos. Enquanto ataca o seu valor aumenta e o do inimigo diminui, se chegar a zero e ele sofrer mais um ataque ocorre um Bravery Break, aumentando ainda mais o seu Bravery.


O ataque de HP utiliza o valor acumulado de Bravery para efetuar um ataque contra a barra de vida do oponente. Caso este valor esteja em azul e um ataque de HP seja utilizado, o oponente que o receber ficará incapacitado. Este ataque não possui a variação em combate que os de Bravery, mas eles podem ser trocados antes das partidas, permitindo ao jogador escolher um que mais se adeque a seu estilo de jogo.

Uma mudança interessante que ocorreu foram nos Ex Modes. Antes habilidades que eram usadas para aumentar o poder do personagem, lhe dando acesso a novas habilidades. Esses modos foram modificados para deixar o jogo mais dinâmico e agora são chamadas de Ex Skills. Cada personagem conta com uma habilidade única e duas habilidades que podem ser escolhidas de uma lista, sendo divididas em buffs e debuffs e possuindo diversos efeitos.


Todos os personagens conseguem se locomover de forma rápida pelo cenário, seja por terra ou pelo ar, perseguindo os inimigos pelos vastos cenários. Essa habilidade também pode ser usada para cancelar as animações, permitindo ao jogador continuar sua onda de ataques. Além disso, os elementos do cenário influenciam na batalha diretamente, permitindo a alguns personagens vantagens em determinados terrenos.

Dissidia NT também apresenta mecânicas escondidas, que trazem surpresas ao jogador a cada momento. Segredos como as mudanças de paradigma de Lightning ou do estilo de combate do maligno, Exdeath. Estas mecânicas tornam as lutas muito interessantes, permitindo ao jogador uma vantagem se tiver dominado as características de seu personagem favorito.


Uma das mecânicas presentes nos outros títulos retorna de forma criativa e interessante. Durante a partida uma barra de coloração branca vai se enchendo, podendo ser acelerada ao destruir os cristais que aparecem pelo mapa. Após cheia os jogadores podem invocar poderosos aliados que lhe auxiliam durante as batalha. Utilizando seus ataques característicos, eles participam de forma bem mais ativa, concedendo uma boa vantagem para os jogadores que o invocou. Eles devem ser escolhidos antes de cada partida e por enquanto existem apenas sete, mas com possibilidades de adicionar mais.
Variedade de modos de jogo

Dissidia NT possui três modos distintos de jogo, sendo eles o online, gauntlet e o modo história. Gauntlet é o modo de combate offline que permite aos jogadores escolher três personagens, realizando um total de seis lutas contra times de inimigos escolhidos e controlados pela IA, com diferentes níveis de dificuldade. Ele consiste em derrotar o inimigos três vezes em combate direto ou destruir um núcleo protegido por eles. Além disso um modo contendo cada time já escolhido do modo história também é liberado a medida que as lutas são realizadas.


Já o modo online, consiste em partidas ranqueadas ou livres. As partidas ranqueadas são divididas em combate solo ou em grupo. No combate solo realizamos batalha ao lado da IA contra um oponente nas mesmas condições, enquanto que no combate em grupo somos colocados em time com outros jogadores, ambos os modos tem como objetivo incapacitar os inimigos em combate direto. Já no modo livre podemos realizar o modo de destruição de cristais também.

Infelizmente o IA do jogo não é tão bom, frustrando os jogadores durante os combates. Nas partidas online encontramos alguns problemas, como lags, que podem acabar atrapalhando os jogadores. Em algumas partidas, mesmo com o lag foi possível concluí-la, enquanto em outras o servidor acabou caindo, isso se deve ao fato de a Square ainda não possuir servidores próprios, usando um dos jogadores como hospedeiro, dependendo assim da conexão oferecida por ele.

Novos personagens

O jogo conta com 28 personagens icônicos e famosos de diversos jogos da franquia Final Fantasy. A adição de dois personagens que não fazem parte da franquia principal aumenta ainda mais o leque de opções que podem entrar para o jogo, atiçando a mente dos fãs sobre quais podem aparecer no futuro.

Os personagens são divididos em quatro classes: vanguarda, assassino, atirador e especialista. As classes influenciam na jogabilidade e dão uma idéia ao jogador sobre o estilo de cada personagem. Vanguardas são os tanques e focam em dar a maior quantidade de dano; assassinos possuem boa mobilidade e velocidade de ataque; atiradores atacam a distância; e os Especialistas possuem características únicas. Tirando o especialista, as classes atuam como pedra, papel e tesoura, onde assassinos são mais fortes que atiradores, atiradores mais fortes que vanguardas e vanguardas mais fortes que assassinos.


Riqueza de detalhes

Muitas músicas da trilha sonora de Dissidia e de outros jogos da franquia Final Fantasy retornam nesse novo título, algumas possuindo novos arranjos. Algumas músicas inéditas também foram criadas para o jogo, por Takeharu Ishimoto, compositor dos jogos anteriores. Como sempre a trilha sonora está excelente, trazendo uma boa imersão para o jogo e permitindo uma excelente harmonia entre as lutas.


O excelente design dos personagens é acompanhado de skins, que permitem mudanças estéticas, como nova coloração ou outro visual apresentado por ele em jogos e filmes da série. Além de sua aparência, cada personagem pode trocar também o visual de sua arma inicial por uma relacionada a algum jogo em que aparece. Apesar de não acrescentarem a jogabilidade, elas permitem um pouco mais de controle. Talvez com o tempo novas skins sejam liberadas para os personagens e suas armas, melhorando ainda mais o aspecto já apresentado.

Os belos cenário demonstram o cuidado que a equipe teve ao reproduzi-los, mantendo os detalhes. A medida que a batalha se desenvolve o cenário sofre mudanças relacionadas as que ocorreram no jogo original, normalmente representando o momento em que as batalhas atingem seu clímax. A beleza dos detalhes fazem os cenários ainda mais belos, acelerando o fluxo da batalha.

Uma excelente adição à franquia

Dissidia Final Fantasy NT é um jogo que possui grande foco no competitivo, o que infelizmente ainda acaba sendo um pouco falho, pelos problemas encontrados nos servidores. Além de sua dificuldade para os jogadores casuais e de sua interface poluída, a IA do jogo pode frustrar os jogadores durante as batalhas offline. A ausência de um multiplayer local já era esperada, porém ainda assim faz falta.

Mesmo assim, ele oferece uma boa gama de diversão, fazendo com que cada jogador acabe se relacionando melhor com um dos personagens e sua forma de jogar. Sua jogabilidade após dominada faz o jogador ter lutas excitantes, melhorando a cada batalha. O fato de que mais conteúdo será adicionado traz uma boa vida útil ao jogo, podendo trazer melhorias para os problemas apresentados acima. Um bom jogo de luta, com grande potencial para crescer entre fãs de jogos competitivos, Dissidia, oferece mecânicas diferenciadas e um estilo de jogo criativo.

Prós:

  • Belos cenários e designs;
  • Boa coletânea de personagens;
  • Excelente história;
  • Batalhas desafiadoras;
  • Mecânicas criativas e inovadoras;

Contra:

  • Interface poluida;
  • Jogabilidade difícil para jogadores casuais;
  • IA fraca;
  • Lags nas partidas online;


Dissidia Final Fantasy NT (PS4) - Nota 8.5
Revisão: Diogo Mendes
Antonio Stark escreve para o PlayStation Blast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook