Blast from the Past

Blast from the Past: Yu Yu Hakusho: Dark Tournament (PS2)

Após adaptar algumas franquias de sucesso para o mundo dos games, a Atari resolveu recuperar uma s... (por Rayner Lacerda em 17/02/13, via PlayStation Blast)

Após adaptar algumas franquias de sucesso para o mundo dos games, a Atari resolveu recuperar uma série amada por incontáveis fãs ao redor do mundo. Sim, estou falando de Yu Yu Hakusho, que fez a nossa alegria nos fins de tarde na extinta TV Manchete. Foi assim que surgia Yu Yu Hakusho: Dark Tournament, uma adaptação amada por uns e odiada por muitos que deu o que falar. Mas o fato é que, seja isso bom ou ruim, essa adaptação ficou na memória daqueles que apreciam um bom jogo de luta. Se você, caro leitor, assim como eu, também não pôde deixar de pôr as mãos nesse jogo, confira a nossa matéria e relembre os bons e maus momentos das aventuras de Yusuke Urameshi e companhia.

A própria escolha da franquia foi uma surpresa, já que não víamos títulos sobre a série desde o SNES e 3DO. Infelizmente para nós, fãs inveterados da série, a adaptação não saiu como planejado e não foi, nem de longe, aquele jogo que esperávamos. O motivo era simples: o jogo não conseguiu trazer aquele sentimento, aquela emoção que todos nós sentíamos ao acompanhar as aventuras do detetive espiritual pela TV.


Era impossível não jogar e ficar com aquela sensação de que faltava algo muito importante. Sei lá, em vários momentos a impressão era que o jogo não tinha a alma da série. Era um simples jogo de luta com os personagens que adorávamos, o que não era, nem de longe, o suficiente.

Os perigos do Torneio das Trevas

Dark Tournament, como o próprio nome diz, abordava a trajetória do detetive espiritual e seus amigos pelo Torneio das Trevas, conhecendo e enfrentando diversos times até finalmente se digladiarem com o temido time Toguro. Em razão disso, o jogo possuía oito arenas, vistas na aventura animada, e nada mais nada menos que 24 personagens, muitos deles conhecidos e amados pelos fãs.


Comparações são inevitáveis, dessa forma é impossível não se sentir frustrado por Yu Yu Hakusho: Dark Tournament não ser, nem de perto, tão divertido quanto a série Dragon Ball Budokai. Talvez um dos principais motivos que retiravam o brilho do jogo era a sua movimentação lenta e travada, o que acabava deixando as lutas monótonas e em muitos momentos até sem graça, totalmente opostas aos emocionantes combates visto na série animada. Basta dizer que a versão de SNES era muito mais fluida e vocês podem entender perfeitamente o que estou falando.

Sem falar na dificuldade em se realizar determinados combos. Novamente, a versão de SNES que, por si só, já era difícil, tornava-se fácil comparada a alguns movimentos dessa versão. Como se não bastasse, nem sempre os controles eram precisos. Era, no mínimo, frustrante: você demorava a aprender aquele golpe especial maneiro, para ver ele não sendo executado nas lutas por causa de falhas operacionais.

Salvo pelos extras?

Por outro lado, o título possuía modos de jogo destraváveis variados que acrescentavam algumas horas na diversão, principalmente o Survival e o Team Battle, que lembravam um pouco aquele gostinho de perigo que o anime passava. Sem falar nos dois modos história, que mostravam duas versões diferentes dos acontecimentos. Mas, novamente, o combate travado retirava muito o brilho disso.

E a coisa toda podia ficar ainda pior. Caso você não gostasse das lutas logo de cara, o jogo inteiro podia se tornar uma tortura.

Um detalhe importante que talvez desviasse um pouco a atenção desses problemas era o seu visual cartunesco e brilhante. Muito bonito mas menos trabalhado que o visual de Goku e sua turma. Mas, novamente, a mecânica falha do jogo deixava tudo menos charmoso. Após ficar admirado com os detalhes gráficos, bastava algumas partidas para você ficar com a impressão de algo inacabado ou feito às pressas.



De fato, apesar dos diversos modos de jogo, era a história que prendia a atenção dos jogadores, onde você devia cumprir uma série dos mais variados objetivos, que iam desde sobreviver com o seu time até simplesmente passar pelos adversários. Na verdade, por mais controverso que pareça, essa foi a salvação do jogo, afinal, aquele fã que é fã muitas vezes ignorava os problemas, por mais gritantes que fossem e se contentava em poder controlar e acompanhar os seus personagens favoritos.

Talvez no futuro...

No final das contas, Yu Yu Hakusho: Dark Tournament foi até bem aceito pelos fãs, já que, aos menos um pouco, conseguiu reproduzir algumas particularidades do anime de forma bem aceitável. Para quem já havia desistido de ver as aventuras de Yusuke nos consoles da geração 128 bits, a surpresa até que foi agradável, ainda que o jogo não passasse perto da adaptação que a série merece.

Revisão: José Carlos Alves
Rayner Lacerda é historiador, formado pela UFV. Eterno estudante e professor do mundo, se interessa por praticamente tudo, mas são os games a sua grande paixão. Tal fascínio o levou ao Blast, onde escreve atualmente. Encontre-o no Facebook
Este texto não representa a opinião do PlayStation Blast. Somos uma comunidade de gamers aberta às visões e experiências de cada autor. Escrevemos sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0 - você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Fórum
Google+
Facebook


Últimas do Fórum

Ver mais

No Facebook

Ver mais