Vem aí

Until Dawn (PS4) vai assustar ou causará nenhum arrepio?

Você está preparado para se assustar?


Fazer games de terror hoje em dia não é uma tarefa fácil, pelo menos no que diz respeito à inovação. É difícil provocar sustos como os jogos de antigamente faziam ou criar uma experiência diferente que faça o jogador relembrar o game com carinho (e um pouco de temor, óbvio) depois de jogá-lo. Amnesia e The Evil Within foram títulos recentes capazes de surpreender por seus enredos e gameplay, além de produzirem uma boa quantidade de sustos. Agora, Until Dawn traz novos ares ao gênero do horror, mesmo que seja com um enredo que pode não conquistar à primeira vista.

Sustos em alta definição

Produzido pela não tão conhecida Supermassive Games, Until Dawn é um jogo do gênero survival horror exclusivo para o PlayStation 4. Originalmente, o game seria lançado para o PlayStation 3 e teria suporte ao PS Move. No entanto, devido a mudanças de planejamento, em agosto de 2014 a produção do game foi alterada. Durante os vídeos de gameplay já apresentados do título, pode-se ver uma alta qualidade gráfica, muito similar a outros tantos games dessa nova geração, já que usará o Umbra 3 (um engine modificado de Killzone Shadowfall). Portanto, prepare-se para se assustar em alta definição quando uma porta se mover de repente ou um inimigo saltar de trás de você.

Como a trama do game não surpreende e fica apenas no lugar-comum de tantos outros títulos do gênero, Until Dawn promete focar na maneira como o gameplay se desenvolverá para inovar. A história gira em torno de oito amigos que passam a noite em uma cabana isolada da cidade durante o aniversário do desaparecimento de suas amigas, as irmãs gêmeas Hannah e Beth. O problema é que, além de tentar descobrir o que aconteceu com as meninas, o grupo precisa fugir de um serial killer maníaco que o persegue ao longo da noite. Parece roteiro de filme de terror adolescente, não acham?

Felizmente, Until Dawn promete utilizar uma mecânica já conhecida de games como Bioshock ou de títulos como The Walking Dead e The Wolf Among Us, da consagrada Telltale Games. Funcionando como um “Efeito Borboleta” em que uma mudança pode desencadear consequências inimagináveis no futuro, o jogador terá de tomar muito cuidado com o que faz ou deixa de fazer durante a aventura. Isso gerá múltiplas maneiras de se completar o game, além de vários finais diferentes. Além disso, prepare-se para uma experiência tão confusa quanto em The Evil Within, pois os produtores já afirmaram que não será possível compreender a trama do game em apenas uma rodada, que durará cerca de nove horas. Portanto, o sistema de decisões ajudará a criar várias linhas de história, em que o jogador poderá compreender melhor o que está acontecendo.

Apenas mais um jogo de terror

Outro elemento diferenciado em Until Dawn será seu sistema de salvamento. Por causa da perspectiva de criar diferentes linhas de enredo devido às diferentes decisões tomadas pelo jogador, o sistema não permitirá o carregamento de arquivos salvos em pontos mais antigos do gameplay, um problema caso você tenha se arrependido de alguma coisa que tenha feito ou não feito e queira voltar no jogo. Isso proporcionará uma experiência mais sólida, em que o jogador se sentirá ligado a história do título, e não apenas jogando mais um simples e bobo jogo de terror.

Pelo que Until Dawn já mostrou em seus trailers de gameplay, podemos esperar um título de terror à altura. Vemos que os personagens parecem bem desenvolvidos e as atuações conseguem proporcionar o nível de imersão necessário para ficar preso à história do game. A forma como o game irá desenvolver a história também ajudará o jogador a não ver o título apenas como mais um jogo de terror, mas sim como uma experiência dinâmica em que cada passo diferente tomado interessa para o desfecho final.

Until Dawn (PS4)Gênero: Terror
Desenvolvimento: Supermassive Games
Lançamento: 25 de agosto
Expectativa: 4/5

Revisão: Luigi Santana
Capa: Daniel Serezane
Luis Antonio Costa escreve para o PlayStation Blast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook