Jogamos

Análise: Aliens: Colonial Marines (PS3)

Depois de quatro longos anos, finalmente um novo jogo da série Alien é lançado em parceria entre a Gearbox e a Sega. Com uma versão demo... (por Danilo Passos em 17/03/2013, via PlayStation Blast)

Depois de quatro longos anos, finalmente um novo jogo da série Alien é lançado em parceria entre a Gearbox e a Sega. Com uma versão demo avassaladora, que conseguiu capturar a ambientação dos filmes com perfeição, e tendo sido prometido como uma verdadeira sequência da aclamada série, sendo inclusive considerado parte do cânone oficial dos longa-metragens, será que, finalmente, teremos um jogo que quebra a tradição de jogos ruins originários de filmes?

Um pedido de socorro

Você é o Cabo Winters, membro dos US Colonial Marines, um grupo de soldados a bordo do USS Sephora que foram enviados para investigar um pedido de socorro proveniente da nave USS Sulaco, pouco após os eventos do terceiro filme, Aliens³.

Para os fãs da série Alien, esse promete ser um prato feito... só que não.
Esse começo, apesar dos diálogos clichês, é capaz de prender a atenção. A ideia de se aproximar dos filmes é visível e puxa os fãs a se interessarem cada vez mais. Porém, essa sensação logo é desfeita, pois ao entrar na sala e se confrontar com o primeiro Xenomorph, temos um momento sem suspense algum e que, de tão fraco, não causa susto. Aliás, minha reação foi: "O que acabou de acontecer? Perdi algo?" de tão simples que é.

E, logo após esse primeiro encontro, começam os verdadeiros problemas. Os gráficos desse jogo lembram um jogo da era passada dos consoles, sem efeitos de névoa ou iluminação dinâmica. Tudo aquilo que foi visto e propagandeado na versão demo sumiu, deixando algo insosso e sem graça. Aliás, esse é o principal motivo para toda a crítica sobre esse jogo, já que o produto final não corresponde àquilo que fomos expostos anteriormente, sendo uma baita falsa propaganda.


Para completar, os aliens do jogo são uma tremenda falta de respeito de tão burros e fracos que são, o que é irônico considerando a premissa original de ser fiel aos filmes. Por vezes, você lutará mano-a-mano com os aliens (!) e eles ignoram qualquer senso de estratégia, apenas pulando em sua direção... isso tira todo o suspense que deveríamos ter.

Temos até alguns aliens que atiram ácido, mas aparecem muito tarde no jogo. Essa tradicional marca da série é inexistente nas primeiras fases e faz falta. Há ainda outros problemas, como os aliens "surdos" que ignoram o jogador caso ele não se movimente. O problema é sua péssima animação, que chega a ser vergonhosa.

Sou um alien dançante surdo.
Há ainda inimigos humanos que conseguem ser piores do que os extraterrestres. Por muitas e muitas vezes tive a sensação que eles demoravam a reagir aos tiros recebidos. A implementação deles é tão ruim que, ao levarem tiros, eles continuam sua animação (carregar uma arma ou se esconder atrás de uma caixa) para, só após o fim dela, darem início à animação de morte ou de terem sido acertados. Isso é inconcebível para um jogo de tiro.

Aliás, falando em humanos, até quatro pessoas podem jogar no modo co-op. No caso de você querer jogar sozinho, ao menos um NPC sempre o acompanhará. Eles nunca morrem e, se ficarem para trás, irão magicamente teleportar para perto do jogador. E a péssima I.A. também acomete esses NPCs, com eles atirando nos inimigos atrás de paredes ou em inimigos invisíveis. Para piorar, esses mesmos NPCs por vezes não possuem colisão, permitindo a você atravessá-los. A falta de fogo amigo não ajuda, tirando um pouco da realidade e facilitando os combates.

Nenhum Marine é deixado para trás!

As fases, em sua maioria, lembram os filmes, chegando a possuir um level design bacana em algumas seções. Porém, é possível perceber em vários momentos a falta de capricho, tendo apenas um mar de preto e coisas gosmentas/melequentas de alien, como se fosse para tapar buracos. Mas o pior foi ter encontrado buracos (sim, áreas vazadas) dentro da nave que davam para ver o skybox do jogo, ou seja, o espaço. Para um jogo que almeja reproduzir os filmes, ter vários buracos no cenário é simplesmente uma afronta aos jogadores.

A sonoplastia não chega a incomodar, mas por vezes o volume das armas se sobressai e poderia incomodar os vizinhos. A música ambiente ajuda pouco na imersão do jogo e, tirando a música do menu principal, são facilmente esquecíveis. E, apesar da quantidade de aliens, seus grunhidos irritantes e fracos são por muitas vezes suprimidos pelo barulho da sua arma ou do radar.

Gráficos melhores que o do jogo... infelizmente.

Potencial desperdiçado

Mas nem tudo são críticas. O jogo possui algumas ideias interessantes, como em uma parte que você perde suas armas e deve se esquivar dos aliens e chegar até o seu companheiro de equipe. A execução não é das melhores, mas essa ambientação é suficiente para dar um pouco de adrenalina.

Apesar de não haver sistema de evolução da personagem, o sistema de "desafios" é algo bacana, onde você deve cumprir certos objetivos (exploda 20 inimigos, dê 10 headshots com a pistola, etc.) para aumentar o seu rank. O sistema de evolução fica por conta das armas, que podem ser melhoradas e ter até os seus decalques alterados, ajudando a personalizar e fazer de você um verdadeiro marine

Cuidado com os aliens
Já a história começa a melhorar bastante a partir do momento que você aterrissa em LV-246, se aproximando ainda mais dos filmes e unindo os universos. Como fã dos filmes, você até se esquece dos problemas para poder ouvir mais da história. O problema é justamente a maneira como o jogo foi encerrado, com uma batalha final ridícula e um final que deixa tudo em aberto para uma sequência que, por conta de toda a crítica negativa, provavelmente nunca acontecerá.

O multiplayer é pouco inventivo e deverá render apenas algumas horas de sua atenção. São quatro modos: Team Deathmatch, Extermination, Survival e Escape. O melhor modo, sem sombra de dúvidas, é o Survial, onde um time de marines precisa chegar a um destino enquanto foge do time dos Xenomorphs. Porém, há poucas fases multiplayer no momento, com DLCs planejados para o futuro.

Promessas não cumpridas

No fim, Aliens: Colonial Marines é um produto mediano que sofre do hype excessivo causado pela versão demo e uma execução pobre e sem esforço. Esse é um jogo que parece ter sido feito para PS2 e portado sendo que, ainda assim, há jogos portados que são melhores em quase todos os aspectos. 
Marines unidos jamais serão vencidos!
A sensação que dá é que o jogo tem o coração no lugar certo mas que algo durante seu desenvolvimento se perdeu no caminho. A série Alien tem todo o potencial para fazer um jogo decente, pena que não será este.

Prós

  • Customização das armas;
  • A maioria do level design é bom;
  • Jogar como um Alien;
  • Multiplayer entretém por algumas horas.

Contras

  • Versão final em nada se assemelha à demo;
  • I.A. fraca, sem grandes desafios;
  • Infestado de bugs;
  • Final aberto para uma sequência (que não deverá acontecer);
  • Apenas para fãs da série Alien;
  • Campanha singleplayer curta.
Aliens: Colonial Marines - PS3 - Nota: 4.0 (para os fãs) / 2.5 (não fãs)
Revisão: Ramon Oliveira de Souza
Danilo Passos é graduado em Ciência de Computação e pós-graduado pela FGV em Gerenciamento de Projetos. Além de redator no PlayStation Blast, é fundador e administrador do site Hyrule Legends, podendo ser encontrado no Facebook, no Twitter e no LinkedIn.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook