Jogamos

Análise: Encare os horrores de uma guerra em Spec Ops: The Line (PS3)

Nesta geração presenciamos gêneros anteriormente muito aclamados, como os tradicionais RPGs japoneses, sendo deixados de lado em prol d... (por Gabriel Vlatkovic em 01/06/2013, via PlayStation Blast)


Nesta geração presenciamos gêneros anteriormente muito aclamados, como os tradicionais RPGs japoneses, sendo deixados de lado em prol de uma “ocidentalização” da indústria dos videogames. O movimento, liderado por gigantes como a Activision, Electronic Arts e Ubisoft resultou em bons frutos e excelentes franquias, tais como Assassin’s Creed, Mass Effect e BioShock, mas também acabou homogeneizando demais a indústria. Franquias anuais como o próprio Assassin’s Creed ou Call of Duty tornam a indústria cada vez menos inovadora, já que, se mantendo na zona de conforto, as desenvolvedoras fazem milhões de dólares e nem precisam se preocupar com grandes investimentos sem garantia de retorno. Call of Duty ainda faz um pouco pior, pois cria um movimento de “glamouralização” das guerras, transformando-as em grandes triunfos de soldados que dizimam populações e destroem cidades da forma mais cinematográfica possível.

Vindo em uma direção admiravelmente oposta, Spec Ops: The Line, game produzido pela Yager Entertainment e publicado pela 2K Games (mesma de BioShock), mostra tudo o que os outros jogos do gênero se negam a mostrar: todo o sofrimento, desespero e devastação que uma guerra pode causar, não apenas aos civis, mas também aos soldados, que no fim das contas são apenas seres humanos tentando fazer o seu trabalho.

Evacuando Dubai

O jogo começa quando o exército americano capta uma transmissão via rádio em que o condecorado Coronel John Konrad que, com seu esquadrão, estava realizando uma missão de evacuação da população de Dubai após uma série de catastróficas tempestades de areia, diz que a empreitada foi um fracasso e que o número de mortes já é incontável. Com essa séria situação, o exército americano envia três homens: Capitão Martin Walker, dublado magistralmente por Nolan North (ou Nathan Drake, para os que preferirem), e seus parceiros John Lugo e Alphonse Adams. A missão dos três é realizar o reconhecimento do local e resgatar os possíveis sobreviventes, para assim retornarem para casa. Mal sabiam eles no que estavam se metendo.

O belíssimo cenário do jogo
Não revelarei muitos detalhes do enredo do jogo, pois ele é o que há de melhor nesta fantástica jornada. A aventura dura em torno de cinco horas, mas possui quatro finais diferentes e uma série de escolhas morais a serem realizadas durante os quinze eletrizantes capítulos do título. Posso dizer que Spec Ops: The Line revoluciona completamente a forma de se contar uma história de guerra em um console, e que, no controle de Walker, você realizará ações que trarão as mais terríveis consequências, não apenas para seus inimigos, mas para si próprio. O jogo se propõe a revelar a fragilidade do ser humano em momentos de fortes adversidades, e como a pressão e desejo compulsivo podem destruir a vida de todas as pessoas ao seu redor.

O jogo é permeado por momentos bastante perturbadores
Por vários momentos, me flagrei espantando com as chocantes cutscenes e situações em que fui inserido, e pensava de que forma poderia consertar toda a desgraça que estava presenciando. Infelizmente, era tarde demais. E dessa forma, Spec Ops evolui até um apoteótico final, que surpreenderá até os que ainda estão de queixo caído com a fantástica sequencia final de BioShockInfinite.

No controle da guerra

Spec ops: The Line é um third-person shooter, e possui uma jogabilidade bastante funcional e sem grandes problemas. Os controles fluem perfeitamente, a mira é bastante eficaz e os inimigos possuem uma inteligência artificial bastante apurada. Por comandar um pequeno esquadrão, é possível dar ordens aos seus parceiros que vão desde se esconder, até matar algum inimigo sorrateiramente. O jogo conta com uma infinidade de armas e três tipos de granadas com diferentes efeitos. Os cenários também podem se tornar armas, já que é possível utiliza-los para derrotar inimigos ou até mesmo confundi-los.

Em Spec Ops, os civis também pagam um preço pela guerra
Para variar um pouco, o jogo também conta com passagens em veículos e stealth muito bem implementadas, seja pelos controles ou pelo contexto. Esses momentos são eletrizantes e desafiadores, o que torna o jogo ainda mais imersivo. Para os fãs de Call of Duty, fiquem tranquilos, apesar das claras alfinetadas à franquia, o título também possui os momentos grandiosos e épicos que adoramos. Eles só vão em outra direção. Seguindo esse estilo, temos as fortíssimas tempestades de areia que surgem do nada e prejudicam muito a visão do campo de batalha, forçando que todos os combatentes se escondam (ou utilizem a catástrofe a seu favor). Tais momentos são chave na aventura, já que, além de serem visualmente belos e empolgantes, adicionam novos elementos à jogabilidade.

Os comandos de Spec Ops são simples e intuitivos na maior parte do tempo
O único problema inerente aos controles do jogo é o sistema de cover. Na maior parte do tempo ele funciona muito bem, mas há certos momentos em que o jogo não reconhece que Walker está em um ponto de cobertura e acaba não gerando o comando na tela, causando algumas mortes desnecessárias e um pouco de frustração, ainda mais se considerarmos que o jogo é bastante desafiador e bastam alguns tiros para que Walker caia morto aos pés de seus inimigos.

Outro problema é a escassez de checkpoints durante as fases. O jogo possui diversas passagens difíceis e longas, e os checkpoints são extremamente mal distribuídos entre elas, causando mais frustração ao jogador, que terá que enfrentar novamente aquela horda incansável de inimigos. Somando isso ao problema com o sistema de cover, em alguns momentos você sentirá muita raiva do jogo, pensando até em desistir. Sorte que o enredo é tão bom que o fará pensar duas vezes antes de ser tão extremo.

Walker chateado com a falta de checkpoints

Multiplayer destoante

O jogo possui um modo multiplayer que funciona como os já tradicionais do gênero: equipes devem se matar por cenários da aventura por um determinado tempo ou quantidade de jogadores derrotados por equipe. Contudo, apesar de divertido, este modo sai completamente do contexto proposto pela desenvolvedora. Tanto que ele foi desenvolvido por outra empresa, a Darkside Game Studio. Cory Davis, o designer principal da Yager Entertainment, chegou a fazer a seguinte afirmação sobre o modo de jogo:
Ele (o multiplayer) emana uma luz negativa a todas as coisas significativas que fizemos na campanha single-player. O tom do modo é completamente diferente, mas as mecânicas foram copiadas para desenvolvê-lo. E foi jogar dinheiro no lixo. Ninguém está jogando e eu nem sinto que isso faça parte do pacote – é outro jogo crescendo como um tumor no disco do jogo, que ameaça destruir as melhores coisas que o time da Yager criou com sua alma e coração.

Dubai: beleza destroçada

Spec Ops: The Line é um jogo artisticamente maravilhoso. Se utilizando de uma palheta de cores muito vivas e marcantes, a equipe da Yager Entertainment conseguiu criar uma Dubai vibrante e, ao mesmo tempo, destroçada. A cidade está tomada por areia, e os lindíssimos prédios, característicos da cidade, estão em destroços. A sensação que temos é de um ambiente quase apocalíptico, que faz uma perfeita mistura entre a tecnologia e beleza das construções da cidade e a areia dominando todas as suas entranhas.

Conheça uma Dubai completamente depredada
Os personagens são críveis e durante toda a jornada você se importará com o bem estar de seu esquadrão e das pessoas que encontrará pelo caminho. Boa parte disso se dá pela excelente dublagem, com interpretações muito emotivas, que geram muita empatia com o jogador. A trilha sonora também é muito bem selecionada, sendo um híbrido entre músicas orquestradas e um pouco de rock para os momentos de ação mais frenética.

Walker deverá realizar algumas escolhas que mudarão sua vida para sempre

Memorável e esquecido

Spec Ops: The Line é provavelmente um dos jogos mais underrated da geração. Poucos jogaram e muitos mal sabem que o título existe. Contudo, a criação da Yager figura-se como um dos jogos de guerra que melhor retratam a situação de caos e desespero que ela pode provocar indo na direção completamente oposta de gigantes do gênero como Call of Duty ou Medal of Honor (que teoricamente já nem mais existe). Apesar do multiplayer desnecessário e de alguns problemas pontuais na jogabilidade, o título é um must-play para todos que curtem jogos de ação ou uma história bem contada, que os fará pensar por muito tempo os motivos pelos quais tratamos guerras com tanta naturalidade.

Prós

  • Jogo vai contra a corrente de shooter genéricos que assolam o mercado;
  • Enredo envolvente e chocante;
  • Personagens marcantes;
  • Gráficos artisticamente lindos;
  • Jogabilidade funcional na maior parte do tempo;
  • Dublagem espetacular.

Contras

  • Modo multiplayer nada adiciona ao pacote;
  • Checkpoints mal distribuídos;
  • Sistema de cover falha em alguns momentos.



Spec Ops: The Line – PS3 – Nota: 9.0

Revisão: Samuel Coelho
Capa: Felipe Araújo
Gabriel Vlatkovic é economista formado pela Unicamp. Trabalha como Analista de Finanças e joga videogames há quase vinte anos. Adora ouvir música, assistir a filmes e seriados e discutir a Timeline de Zelda. Quando não está trabalhando, está no Facebook.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook