Blast from the Past

E a luta corre solta em Power Stone Collection (PSP)

O primeiro Power Stone foi lançado originalmente na safra de jogos pioneiros para o último console da Sega - o Dreamcast - e causou sensa... (por Diego Leon em 26/10/2013, via PlayStation Blast)


O primeiro Power Stone foi lançado originalmente na safra de jogos pioneiros para o último console da Sega - o Dreamcast - e causou sensação no período: tratava-se de um jogo de luta em 3D, mas que carregava características extremamente singulares. Não era um Soul Calibur: em Power Stone, o cenário é parte importante da estratégia, assim como os itens disponíveis – que vão desde um revólver até um lança-chamas. O jogo foi bem recebido pela crítica e pelos jogadores.                    

Em 2000, o Dreamcast recebeu a continuação, intitulada Power Stone 2. O jogo trazia o espírito do antecessor, incluindo adicionais que revigoraram a série. Na sequela, até quatro jogadores podiam participar das lutas, a diversidade de itens foi ampliada, os cenários se alteravam ao longo da batalha e também foi acrescentado o modo para criar novos itens a partir da fusão.

Já em 2006, a Capcom reuniu os dois jogos em uma compilação para o PSP, que ficou conhecida como Power Stone Collection. Topam revisitar um grande clássico dos jogos de luta que ficou esquecido no tempo?

As primeiras opções

Ao iniciar o game no PSP, o jogador poderá escolher entre três opções: Power Stone, Power Stone 2 e Collection. Na opção Collection são disponibilizados o Movie Theather, para rever os encerramentos de cada personagem e o nostálgico Minigame Arcade, que são os jogos do VMU (Visual Memory Unit), o antigo memory card com telinha do console da Sega. Nostálgicos irão relembrar com saudade essa opção.

Onde tudo começou – Power Stone

Falcon e Rouge se enfrentam pelas Power Stones
A história de Power Stone é básica: a saga de alguns heróis que partem em busca das pedras preciosas (as “Power Stones”) para conquistar o seu sonho. São disponíveis oito heróis para o jogador, cada um com suas habilidades e características próprias: Falcon, Ayame, Wang-Tang, Gunrock, Jack, Galuda, Rouge e Ryoma. Interesante notar que alguns são extremamente estereotipados, como Rouge, uma dançarina das arábias, Wang-Tang, o clássico lutador de artes marciais ou ainda o indígena Galuda.

Ryoma utiliza seus poderes contra Ayame
No modo Single Player, o jogador escolhe um personagem e enfrenta vários rivais até chegar ao oponente final. A regra de luta em Power Stone é extremamente simples: utilize os itens do cenário para atacar! Vale tudo: postes, cadeiras, mesas, caixas de madeira. Durante o jogo também aparecem baús com itens que podem ser utilizados pelo jogador, como metralhadoras, tacos de baseball, armas de raio laser ou coquetéis molotov. Se o seu estilo de luta é corpo-a-corpo, Power Stone também oferece uma experiência agradável, ao permitir combos com socos, chutes, voadoras e pisadas. Utilizar o cenário para esquivas, subir em postes ou arremessar o inimigo em áreas perigosas completam o pacote.

Os jogos do VMU agora no PSP
As Power Stones são o principal power-up durante as batalhas. Cada jogador começa com uma pedra, que é perdida quando é atacado pelo oponente. Quando um personagem completa as três Power Stones, entra em um curto período de tempo no modo especial e adquire novos poderes: Rouge, por exemplo, ataca com bolas flamejantes de fogo e Falcon com mísseis teleguiados. A busca pelas pedras do poder é o elemento que oferece dinâmica às batalhas, já que os jogadores vão lutar entre si para roubar as pedras do oponente e assim entrar no modo especial.

Falando dos gráficos, ele cumprem bem seu papel: são extremamente coloridos e vibrantes. A modelagem dos personagens também é satisfatória, trazendo um estilo mais cartunesco para o jogo. A música durante as batalhas são competentes, mas nada além do comum. Além disso, o game possui um  narrador que dá um toque especial ao combate.

No PSP, Power Stone ainda oferece um modo via ad-hoc com mais um companheiro. Esqueça um modo online, pois ele é inexistente. Mas, seja em uma aventura solo ou via ad-hoc, Power Stone oferece uma experiência de jogo sólida, e acima de tudo, divertida. Os itens espalhados pelo cenário e o modo característico de combate de cada personagem tornam cada batalha um evento único e emocionante.

A evolução: Power Stone 2

Power Stone 2 pega a fórmula do jogo anterior e acrescenta novos ingredientes ao prato principal. Como principal exemplo dessas adições temos o multiplayer, agora com até quatro jogadores. A batalha vira realmente uma bagunça: muitos itens novos, cenários interativos e quatro jogadores se confrontando pelas Power Stones. E isso certamente é pura diversão.

Muitos personagens e itens que garantem diversão!
Novos personagens também aparecem em Power Stone 2 – Pete, Julia, Gourmand e Accel – aumentando o leque de opções dos jogadores. Os cenários são extremamente dinâmicos, pois eles se alteram no decorrer da batalha: comece lutando no ambiente externo de um castelo japonês e termine a batalha em seu interior. A opção de fundir os itens também é interessante, mas nem sempre suas fusões irão funcionar. Há também uma loja onde podem ser adquiridos mais itens para apimentar as batalhas.

Os gráficos e sons permanecem no mesmo estilo do jogo anterior: são bons. As cores são extremamente vivas, o que embeleza ainda mais as lutas. E, sem dúvida alguma, o multiplayer garante um replay infinito ao jogo.

Reúna as Power Stones para enfrentar os desafios!

Diversão descompromissada, mas garantida

Power Stone Collection é a chance que os jogadores têm de reviver uma grande série dos tempos áureos do Dreamcast. Mas a nostalgia não é o fator determinante: a qualidade do jogo – pela sua jogabilidade, dinâmica, gráficos e sons – completam um pacote extremamente divertido e viciante. Não há segredos em Power Stone: escolha seu lutador, utilize os itens e corra a para a batalha!
Dobradinha: game e anime
Power Stone também é uma série de anime com 25 capítulos. Foi lançada em 1999, juntamente com o primeiro jogo. O enredo gira em torno de Falcon e a sua aventura para completar as lendárias Pedras do Poder (as Power Stones). Pelas terras brasileiras, o anime entrou no ar no ano 2000 e foi exibido pela rede Globo. No entanto, como é de praxe por aqui, o anime foi extremamente censurado por conter “violência, cenas de nudez e personagens com sexualidade indefinida” – sim, este foi o motivo alegado.
Mais um anime obscuro da TV brasileira!

Revisão: Jaime Ninice
Capa: Vitor Nascimento
Diego Leon escreve para o PlayStation Blast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook