Game Music

Melódico, encantador e épico, vamos conhecer mais a fundo a trilha sonora de Shadow of the Colossus (PS2/PS3)

Shadow of the Colossus é um dos maiores ícones dos jogos de ação com mecânicas de combate inovadoras para sua época. O game surge no PS2 ... (por Jaime Ninice em 02/02/2014, via PlayStation Blast)

Shadow of the Colossus é um dos maiores ícones dos jogos de ação com mecânicas de combate inovadoras para sua época. O game surge no PS2 em uma época chave, batendo de frente com grandes lançamentos, como o também recente The Legend of Zelda: Twilight Princess. O jogo trouxe uma proposta original, poderosa e épica, angariando muitos fãs desde então, seja pela sua liberdade de locomoção e controles intuitivos, seja pelo sabor de experimentar uma aventura na qual não se poderia experimentar em nenhum outro lugar. Entre uma das maiores qualidades artísticas do jogo, além do design, mecânicas de combate e cenários com uma coloração distinta, está a sua trilha sonora. Leve e extrema ao mesmo tempo, ela o carrega por ambientes mágicos do jogo, fazendo-o se sentir em um verdadeiro filme de aventura, recheado de mistérios e lugares paradisíacos para explorar.


Vamos conhecer um pouco mais sobre a trilha sonora deste clássico, capaz de envolver multidões e trazer uma das experiências mais sublimes no mundo da Game Music? Então, segure-se em Agro e nos acompanhe abaixo por esta epopeia artística musical dos deuses!

Compondo o ambiente musical denso em um mundo paradisíaco

Ko Otani
A música de Shadow of the Colossus traz uma gama de recursos sinfônicos para criar ambientações vívidas e fulgazes em sua trama. Muitos instrumentos de percussão, sopros e formações orquestrais, seja com cordas ou numa orquestra completa, são utilizados como base de todo o jogo. Sensações de mistério e de esplendor são características-chave do game, o que garante uma epicidade além dos limites, e que nos agrada bastante.

Compostas por Ko Otani, as músicas deste game são carregadas por uma grande construção orquestral, mas que também usa e abusa de elementos exóticos para garantir um contraste entre as músicas épicas e de colorido heroico. Também é possível sentir um aspecto New Age em algumas das músicas deste título, tão presente nas produções pianísticas da série Final Fantasy.


Características renovadas nas sombras dos colossus

Logo que ligamos o console e vemos aquela introdução fenomenal já dá para sentir o que vem pela frente. Para nos animar: um jogo misterioso, cheio de sonhos e andanças por locais esplêndidos com construções gigantescas. Prologue: To the Ancient Land, assim como Epilogue: Those Who Remain, nos conduz para a realidade do jogo em um clima imersivo, com um aspecto litúrgico em sua harmonia que carrega alguns arpejos de cítara e traz consigo em seguida um coro que canta a melodia principal, acompanhado pela orquestra de cordas que parece ser a mais bela de todos os tempos… É verdade que dá vontade de ficar assistindo à apresentação eternamente, mas você tem que salvar sua garota e embarcar nesta jornada épica que virá ao lado de seu fiel escudeiro, o cavalo Agro!



Em suas primeiras andanças pelo mundo paradisíaco, somos apresentados a um local gigante e você se dá conta que terá muitas aventuras pela frente. Mas não se preocupe, sua jornada será conduzida por belas e influentes composições que trazem um aspecto sereno e exótico em seus teores. Elas vão desde músicas como a Prohibited Art, calma e serena, com toques de arpa mas que logo se revela com os sopros resultando em uma construção harmônica e uma melodia interessante, a outras como Commandment, um pouco mais florestal, introduzindo uma flauta grave que logo apresenta uma beleza ornamental com os instrumentos que a seguem. Bem programática, esta última música nos traz a sensação de  estarmos na pele de um bravo guerreiro.



Variadas são as outras músicas que iremos encontrar ao longo do jogo, mas todas trazem, ora por vez, um aspecto de transição, dando clima aos ambientes que irão se seguir, utilizando coros femininos, órgão, cítara, flautas de pan, piano, oboé e outros. Entre um dos exemplos está a The Farthest Land. Assim como nas diversas músicas de fundo, dá para sentir um pouco mais do clima do jogo aqui. Com uma melodia serena e um pouco mais exótica, utilizando instrumentos bem característicos como cordas dedilhadas e flautas, esta bela música nos remete a ambientes como os de Okami e semelhanças com o sublime álbum de Final Fantasy IV: Celtic Moon.



Músicas como Sky Burial trazem a amenidade que nos leva a um mundo sereno e de buscas dos sentidos. Nada como uma felicidade tranquila mas que termina com aquele enigma recorrente. Em Sanctuary e Prayer, como os nomes sugerem, deparamo-nos com o piano para criar a sensação da tranquilidade presente numa oração, com muita fé e de uma transição entre momentos lúdicos do jogo, seguindo com arpejos e uma leve linha melódica. Em outras como Swift Horse, algo como uma homenagem a Agro é feita. Ela traz um aspecto livre, vivo e firme em seu teor.



Também passamos por muitos momentos de transição em Shadow of the Colossus, e isto pode ser acentuado com músicas como A Closed-off City, cujos sopros são exóticos, Black Blood, com uma frase estranha no início e que vai se formando com toques de sobriedade, e Resurrection, em que temos mais indagações ao canto litúrgico, com vozes femininas e masculinas em diálogo, juntos a um órgão que entra e liga estas vozes para um término conclusivo. Também podemos citar outras como Idol Collapse, Green Hills, Lakeside, A Pursuer, Premonition of Revival, Hope, The Sunlit Earth, Memories, Wilderness, Voice of the Earth e Anger.





Outras músicas que nos depararemos durante a aventura são obras como In Awe of the Power, que possui uma ritmada melodia e aspecto sombrio, construída com base nas cordas, cuja melodia no violino fica em diálogo com os oboés. Já a Wander's Death e Marshlands apresentam-se mais como momentos de transição.

A veracidade vivaz na luta contra os gigantes

E é chegado o momento tão esperado: as batalhas contra os gigantescos Colossus! Aqui poderão ser presenciadas composições que trazem um aspecto mais heroico, em sincronia com momentos de tensão e velocidade, dado o teor dos ambientes de combates e das criaturas que devemos enfrentar. O aspecto “violento” pode ser sentido, como uma tentativa de trazer à tona a realidade de enfrentar grandes e poderosas criaturas ao lado de seu fiel companheiro e único meio de transporte Agro.

A melodia de A Violent Encounter inicia com notas em escala ascendente e logo introduz um ritmo latente de dinâmicas aceleradas no que diz respeito ao ritmo. Aqui o medo não tem vez, e a agitação o conduz para outras músicas que seguirão, como a Sign of the Colossus, que o introduz na descoberta dos referidos monstros e traz, através de alguns arpejos no piano e pela densidade causada nos diálogos entre os instrumentos de sopros, a sensação de estar assistindo a um filme de aventura em ambientes egípcios!



Revived Power: Battle with the Colossus e Grotesque Figures: Battle with the Colossus, algumas de suas primeiras incursões com chefes, trazem um aspecto heroico, potente e grandioso, onde parece terminar, no primeiro caso, em uma decisiva vitória, e, no segundo, salientando aspectos de indagação e revolta, que carrega o espírito bravo em si com o naipe de metais dando colorido à música, utilizando toques que mostram a insistência e indagações que se repetem. Seguimos com a The Opened Way: Battle with the Colossus, que é composta por uma melodia mais presente e termina em harmonia suspensiva, Silence: Battle with the Colossus, que mostra um aspecto calmo, assim como a solidão dos cenários do jogo e terminamos as batalhas com a The End of the Battle, que revela a transição entre os momentos de fúria e introspectividade que acompanha a busca por mais um dos Colossus, e também a chegada do protagonista ao espírito que ele irá consumir e, logo em seguida, cair de cansaço. Uma áurea divina pode ser sentida nesta música, que é acentuada por um coral cantando acordes que se resolvem no modo maior.



Mas se engana quem acha que as músicas de batalha terminam por aqui, afinal são 16 Colossus presentes e cada um carrega uma surpresa nova. Outras músicas de batalhas incluem a épica Creeping Shadow: Battle with the Colossus, na qual os violinos dão clima à introdução de mais uma épica batalha, A Messenger From Behind: Battle with the Colossus, com uma música mais movimentada que também usa o violino como elemento principal de uma grande sinfonia com notas cromáticas e aspecto nervoso que dão falta de ar; e a Counterattack: Battle with the Colossus, que carrega a grandiosidade pelos céus e dá a impressão de divindade pela semelhanças com aspectos musicais utilizados nos jogos medievais.



Também temos a Liberated Guardian: Battle with the Colossus, em que as notas repetidas dos violinos trazem a tensão de se batalhar mesmo em cima de Agro dado o teor selvagem; A Despair-filled Farewell: Battle with the Colossus, com uma melodia interessante e que gruda, acompanhado de uma orquestra completa e de um coral, com o violino sendo interceptado pelo sopro; e Gatekeeper of the Castle Ruins: Battle with the Colossus, que traz um momento tenso, neste caso, com uma música mais serena e possivelmente trazendo à tona que o chefe merece uma música mais intimista e à altura do nível de seu poder. Seguimos com a Demise of the Ritual: Battle with the Colossus, também serena e um pouco mais profunda, e terminamos na decisiva Final Battle, seguindo ao tom de uma melodia crescente e empolgante, que muito será lembrada pelos fãs que permaneceram por horas enfrentando este chefe.


Uma trilha sonora inesquecível às sombras dos Colossus

Com todos os aspectos reunidos, podemos concluir que a música de Shadow of the Colossus é realmente completa e figura uma das melhores no cenário de Game Music. A transcrição de músicas orquestrais, com características de música de concerto e com toques cinematográficos é bem vista pelo cenário gamer e sempre muito bem-vinda entre os amantes de uma boa obra musical, repleta de magia e teor envolvente.

Chegamos ao final de mais um Game Music no Playstation Blast. Embora a franquia Shadow of the Colossus nunca tenha ganhado uma continuação, ela conta com uma trilha sonora tão variada que criou fãs pelo mundo inteiro, além de intérpretes capazes de tocar suas mais desejadas músicas. Seja em um arranjo para piano ou participando de uma orquestra, há inúmeras projeções mundo afora reverenciando esta trilha sonora considerada tão épica. Listamos abaixo alguns conjuntos mais famosos em apresentações de cair o queixo!

Göteborgs Symfoniker - Score - Shadow of the Colossus



Shadow of the Colossus - "The Opened Way" (Eminence Symphony Orchestra)



Epilogue ~Those Who Remain~ - Play! Stockholm 2007



Shadow of the Colossus (Encore) - UM Gamer Symphony Orchestra Spring 2013



Shadow of the Colossus - Concert for Solo Piano [Créditos: The Slow Pianist]



Medley de Shadow of the Colossus na Videogames Live 2012 São Paulo - vgBR.com



E vocês leitores? Qual a música que mais curtiram em Shadow of the Colossus? Gostariam de reviver uma nova aventura ao lado de Agro ou mesmo assistir a um concerto somente com uma set-list composta pelas músicas desta obra-prima? Conte-nos abaixo suas experiências!
Revisão: Catarine Aurora
Capa: Wellington Acciole
Jaime Ninice é cravista e mestre em música pela UFRJ. Sua paixão por games, eventos e revistas o levou a escrever e revisar artigos desde 2010. Hoje, além de participar do PlayStation Blast, é redator das publicações impressas sobre retrogames WarpZone. Pode ser encontrado no Twitter.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook