Blast Test

Com Battlefield Hardline a brincadeira é de polícia e ladrão

Testamos a versão beta do novo jogo da Visceral e descobrimos uma nova forma de se jogar Battlefield!


A franquia Battlefield mantém uma tradição de anos em oferecer uma rica experiência multiplayer em que jogadores podem disputar frenéticas batalhas em diversos modos e a capacidade de evoluir seus personagens como em poucos títulos do gênero. Entretanto, no ano passado, Battlefield 4, um dos mais antecipados títulos da franquia, decepcionou a muitos com sua enorme quantidade de bugs e sua campanha single-player de péssima qualidade. Apesar de a Electronic Arts insistir que a franquia não se tornará anual, na E3 deste ano foi anunciado Battlefield Hardline, que promete remexer a franquia que todos já conhecem e levá-la a uma ambientação completamente inédita. Entretanto, apesar das mudanças óbvias, ao jogar a versão beta do título, pude perceber que a essência da franquia continua intocada.


Polícia e ladrão

A maior diferença entre Hardline e os outros títulos da franquia é que dessa vez o foco não são guerras de proporções épicas, e sim o conflito direto entre policiais e ladrões pela cidade de Los Angeles. Saem os tanques, entram carrões blindados, mas a jogabilidade continua familiar para os fãs da franquia. Na versão beta do título, pude testar dois modos de jogo: Blood Money e Heist. No primeiro deles, os times deverão recolher enormes quantias de dinheiro que estão em um determinado ponto do mapa e levá-los de volta ao seu esconderijo, enquanto no segundo, o time de policiais deverá impedir que os adversários consigam realizar o roubo de carros fortes espalhados pelos cenários.


Ambos os modos de jogo são divertidos, e obrigam os jogadores a pensar estrategicamente, já que High Tension, o único mapa disponível para teste, é muito extenso e cheio de possibilidades de gameplay. No meio da cidade, cercada de arranha-céus, viadutos e garagens subterrâneas, é possível fazer praticamente qualquer coisa que o jogador desejar, e talvez essa enorme quantidade de possibilidades seja a melhor parte do jogo.

Explorando Los Angeles

Durante as partidas que joguei, pude dirigir veículos, pilotar helicópteros e constatar que o espírito de Battlefield ainda se faz presente o tempo todo. Contudo, com a mudança de cenário e temática, novas habilidades foram incluídas à experiência. Agora é possível, por exemplo, fazer rapel pelos arranha-céus e até mesmo lançar uma corda de um prédio a outro para facilitar a locomoção pelo mapa. Além disso, a Visceral Studios soube balancear muito bem a quantidade de ambientes fechados e a céu aberto, sendo possível levar as batalhas para qualquer ponto do mapa disponível para teste.


O sistema de experiência também sofreu algumas modificações em relação a Battlefield 4. Agora é possível acumular o dinheiro conquistado nas partidas para comprar novos equipamentos e habilidades, o que dá mais dinâmica à evolução dos jogadores, que agora têm que se esforçar ainda mais para conseguir melhorar as habilidades de seu avatar.


Assim como ocorria em Battlefield 4, os cenários ainda são destrutíveis e isso pode render momentos extremamente épicos para os jogadores. Contudo, é estranho imaginar que uma simples perseguição entre policiais e ladrões possa levar uma cidade inteira às ruínas. Quando o jogo se tratava de guerras intercontinentais, era fácil aceitar que uma bomba poderia detonar toda uma estrutura, mas no contexto de Hardline a mecânica acabou soando um pouco exagerada.

Nova geração?

Battlefield Hardline é o segundo título da franquia lançado para os consoles de nova geração, e é estranho perceber que ainda não houve um salto gráfico que justifique a franquia nos novos consoles. Apesar do imenso cenário e da fluidez da jogabilidade, a versão beta de Hardline apresentou texturas lavadas e personagens mal modelados. A destruição dos cenários continua sendo o maior espetáculo visual, que ainda assim não é o bastante para esconder a decepção com a pouca evolução do jogo nesse sentido. Todavia, por se tratar de uma versão beta, é esperado que a Visceral evolua um pouco o visual do título.

Nova temática, mesmo jogo

Battlefield Hardline pode não ser uma grande revolução na consagrada franquia da Electronic Arts, mas ainda assim consegue variar um pouco a fórmula de sucesso da desenvolvedora. Desconsiderando os problemas relativos aos gráficos e algumas mecânicas que não fazem muito sentido na temática “polícia e ladrão”, Hardline certamente fará os fãs da franquia felizes mais uma vez, e é exatamente isso que a desenvolvedora almeja com seu novo título.


Revisão: Luigi Santana
Capa: Diego Migueis
Gabriel Vlatkovic é economista formado pela Unicamp. Trabalha como Analista de Finanças e joga videogames há quase vinte anos. Adora ouvir música, assistir a filmes e seriados e discutir a Timeline de Zelda. Quando não está trabalhando, está no Facebook.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook