Hands-on

Diablo III: Reaper of Souls - Ultimate Evil Edition (PS4) vem para reafirmar a série nos consoles

Franquia da Blizzard chega em versão mais completa para os consoles e pela primeira vez para a nova geração, reafirmando o interesse da produtora em expandir o público.

A expansão para Diablo III, Reaper of Souls, foi um dos lançamentos mais esperados no início de 2014 para os fãs da série consagrada no PC. Agora, a expansão finalmente chega aos consoles, juntamente com o lançamento do terceiro do terceiro jogo da série para PlayStation 4 e Xbox One, no pacote especial Ultimate Evil Edition, que também chegará para PlayStation 3 e Xbox 360. Nele o jogador terá acesso tanto à expansão quanto ao conteúdo original. Confira a nossa opinião sobre a demo criada pela Blizzard da versão para o PS4!

A demo testada traz uma mistura de sentimentos. Ao mesmo tempo que mostra muitos detalhes do Ato V, onde começa Reaper of Souls, ela deixa o terrível sentimento de não poder explorar mais, por conta do limite de tempo. O jogador tem possibilidade de explorar o mapa por inteiro e voltar quantas vezes for necessário para conhecer cada canto – mesmo que um pequeno guia esteja presente o tempo todo na tela, as partes dele só são desbloqueadas à medida que a fase avança.

Com os gráficos em 1080p, o jogo se mostra incrivelmente bem feito. O teste não tinha nada de assustador; apavorante mesmo é ver o chão coberto de esqueletos humanos, que de tão bem feitos trazem a sensação de estar pisando de fato em uma pilha de ossos.

Apesar de Diablo ser uma série com um público fiel desde 1996, jogadores novatos poderão se sentir em casa mesmo ao jogar lado a lado com os mais experientes. Com a novidade do Modo Aprendiz, os jogadores terão seus status calculados proporcionalmente, evitando que os menos familiarizados com o RPG passem por dificuldades ao enfrentar monstros de níveis superiores e impedindo os novatos de subir muitos níveis de uma só vez ao derrotar tais inimigos. Com a introdução do Modo Aprendiz, o multiplayer tanto online quanto local se torna muito mais prazeroso, principalmente com a série investindo pouco nessa parte. 

Para garantir que nenhum amigo engraçadinho pegue os itens que você conquistou durante as batalhas, o jogo tem o sistema de coleta de itens aprimorado. Mesmo que alguém tente pegar aquele bônus no chão, o destino dele será o inventário do herói que derrotou o monstro em questão.

Ao contrário do que podem pensar, a dificuldade não foi embora. As mudanças significativas na jogabilidade em grupo não significam que o jogo se tornou necessariamente mais fácil. Os personagens agora podem ganhar experiência até atingir o nível 70, sendo que antes iam apenas até o 60. Os que jogaram Diabo III no PlayStation 3 ou no Xbox 360 não precisam se preocupar em perder todo o trabalho feito até agora: será possível transferir os personagens entre os quatro consoles, independente de serem da mesma empresa ou geração (o jogo de XBO poderá receber tranquilamente dados originais do PS3, por exemplo). A nova categoria de guerreiros, Cruzado, introduzida na expansão, também aparece na versão para consoles, mais inquebrável que nunca. O modo Hardcore, para os que gostam de desafios extremos, não deixa os jogadores na mão.

Aproveitando as listas de amigos dos consoles da Sony e da Microsoft, o jogo terá a função Nemesis: caso um inimigo o derrote, o jogo registrará tal derrota e o tal monstro, de forma aleatória, aparecerá durante a aventura de qualquer um de seus amigos ainda mais forte: caso seu parceiro o derrote, você será vingado; caso contrário, o adversário se tornará cada vez mais poderoso e continuará visitando outros jogadores. 

Em acordo com a Sony, a Blizzard deixou surpresas no jogo que homenageiam exclusivos da empresa. Seis aparências baseadas em Shadow of The Colossus, disponíveis para todas as classes de heróis, e uma Fenda Nefalem baseada inteiramente em The Last of Us poderão ser exploradas apenas pelos donos de PS3 e PS4.

Diablo III: Ultimate Evil Edition chega às lojas no dia 19 de agosto, amanhã. Abrindo mais ainda o leque de público, a Blizzard mostra que Diablo não é uma série feita apenas para um único tipo de jogador. Com este pacote especial, a empresa pretende conquistar mais jogadores para provar que, sim, a série pode fazer sucesso também nos consoles.

Revisão: José Carlos Alves
Capa: Felipe Araujo
Anna Gabriela Coelho escreve para o PlayStation Blast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook