Hands-on

Batman Arkham VR: vestindo o manto do morcego

I am Batman!

A experiência de Batman foi a última dos seis jogos em VR que testei durante a E3 2016 e, se houve uma demo que me convenceu do que a nova tecnologia é capaz, certamente é esta. A ambientação, imersão e elementos consagrados do universo do herói fizeram da demonstração algo sensacional. Confira nossas impressões da breve experiência de viver a vida do homem morcego!

Pedigree Arkham

Batman Arkham VR (PS4) está sendo desenvolvido pela Rocksteady, o mesmo estúdio por trás da aclamadíssima trilogia Batman: Arkham. Ele será lançado em outubro desse ano junto com o próprio Playstation VR. Seus desenvolvedores estão almejando uma experiência de sessenta a noventa minutos focada nas mecânicas de detetive do Batman.


Um ponto interessante é que a Rocksteady trouxe realmente seu time principal para o desenvolvimento do jogo, o qual se iniciou logo após o lançamento de Batman: Arkham Knight (Multi), ou seja, há cerca de um ano. Assim, ficou para nós a impressão de que não se trata apenas de um tech demo ou minigame, e sim de um lançamento principal da franquia (diferentemente do Final Fantasy XV VR, por exemplo).

Na pele do morcego

Nossa experiência com a demo foi resumidamente fantástica. Ao colocar e ajustar o visor do PS VR, o jogador é logo transportado a um grande salão da mansão Wayne. De início, tive a impressão de que o visual era um pouco serrilhado e embaçado, mas ainda muito melhor do que os demais jogos VR que testei.

A imersão toma controle total quando, em alguns segundos, o jogador ouve a voz de Alfred vindo da direita e, de forma totalmente natural, vira a cabeça na direção do áudio. Após uma breve explicação de que um amigo necessita de ajuda, Alfred oferece uma chave ao jogador.
Será essa a nova forma de viver a vida do Batman?
Para interagir com o cenário (nesse caso, pegar a chave), é necessário usar os dois controles PS Move que foram disponibilizados na demo. Os controles naturalmente agem como as mãos do jogador, que podem pressionar o gatilho dos controles para fechar os punhos ou interagir com objetos à sua volta. De fato, os punhos contundidos de Bruce Wayne são a única parte do Batman que são visíveis ao se olhar para baixo, com o restante do corpo invisível ao jogador - sendo essa a maior e único obstáculo da imersão, especialmente quando se olha para baixo.

Vestindo o uniforme

Então, usa-se a chave para abrir o piano e tocar uma sequência de notas qualquer. Isso faz com que uma espécie de elevador se abra no chão e comece a descer. Esta descida de elevador constitui a maior parte da demo, o que não parece exatamente a coisa mais animadora do mundo. Assim é a demo até o jogador colocar as mãos em um dispositivo e sair com os braços de Batman, e utilizar o PS Move para pegar a máscara do Morcego e colocar no rosto. Na sequência, aparece um espelho que permite que o jogador se veja como Batman. O efeito é incrível: mexendo os braços e a cabeça, o jogo é capaz de retratar movimentos infalivelmente reais, sendo possível até dançar um pouco sem causar glitches visuais de colisão.

Nesse momento, eu e todas as pessoas com quem comentei já estavam completamente dentro do mundo do jogo, e todas distrações — o serrilhado, a resolução embaçada e o corpo invisível de Batman — já "desapareceram" aos olhos do jogador. E sem andar um passo!

No restante da demonstração, o jogador é apresentado a algumas ferramentas comuns na trilogia Batman Arkham: o Batarangue, a Batclaw e um dispositivo de escaneamento. Nos três casos, o jogador deve pegar os aparelhos e colocá-los em diferentes posições do cinto de utilidade, além de treinar a mira com cada um deles. Aliás, mirar os dispositivos funciona de forma muito natural, mesmo sem travar a visão no alvo. Novamente o VR demonstra seu valor para a imersão de forma muito específica, permitindo a retirada de interface dos menus de armas e retículo de alvo.
O PSVR aparece uma tecnologia Wayne, não?
Nesse meio tempo, o elevador está descendo para o que é claramente a Batcaverna, que parece ser um ambiente enorme, com muita riqueza de detalhe. De cara, vimos que há alguns pontos onde aparentemente poderá ser usada a Batclaw para subir e também o clássico tiranossauro Rex das HQs.

Bat-mistérios

Por fim, sobre a história, falando com os desenvolvedores, ficou claro que a mesma seguirá principalmente o Batman em um caso de detetive "muito pessoal" e importante para o personagem. No entanto, os mesmos preferiram não revelar onde na cronologia da franquia Arkham se passará este novo episódio.



Ficamos muito surpresos e ainda mais curiosos com o que Rocksteady pôde fazer em 1 ano de desenvolvimento exclusivamente em cima do PlayStationVR. Mesmo sendo um game curto a princípio, com certeza nos convenceu do que a nova tecnologia pode fazer mesmo em curtos períodos de tempo e ainda com mecânicas muito simples. Batman Arkham VR será lançado em outubro de 2016 para PS4.

Impressões de Ulisses D'ávila
Revisão: Ana Krishna Peixoto
Capa: Rafael Neves
Rafael Neves é quadrinista e estudante de medicina da UFBA. Jogos fizeram parte dessa vida desde os seus primeiros anos, embalando muitos dos mais fortes laços de amizade e histórias de vida. E esse legado desembocam nas matérias que escreve aqui no Blast e em sua HQ, The Legend of Link.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook