Jogamos

Análise: Drive Girls (PS Vita) tenta muito e faz pouco

Jogo traz combates repetitivos e controles fracos em mistura pouco convencional.

Quem acompanha o misterioso mundo dos animes um pouco mais a fundo sabe que misturas pouco convencionais acontecem com certas frequência. Dentro desse campo, geralmente uma das partes envolve potenciais “waifus” e do outro lado podemos até ter tanques ou navios de guerra. Vendo por esse lado, Drive Girls é até mais “tranquilo” ao misturar garotas de anime com carros em um jogo que traz a proposta de misturar batalhas com muita ação e alta velocidade. Uma ideia com muito potencial, que poderia até agradar quem não é muito apegado a desenho japoneses, mas o resultado é uma derrapada sem fim.




Bom, acho que posso começar essa análise explicando de forma mais clara o que é Drive Girls. No jogo temos uma turma de moças que podem se tornar carros e fazem parte de uma organização que visa exterminar os insetos, criaturas gigantes que causam terror e destruição no mundo. Não procure alguma explicação do porque elas viram carro, é assim e só, mas isso não é um problema, eu mesmo já tinha comprado a ideia bem fácil, porque estamos falando de animes no final das contas.

Por esse mesmo motivo já esperava que a narrativa não fosse das melhores, mas ainda tinha esperança de algumas piadas bem encaixadas ou qualquer coisa assim de um jogo que não se leva a sério, mas nem isso o jogo me entregou. Só falas bem clichês e bem passáveis.



De qualquer forma, seria o gameplay que iria segurar o jogo, mas acabou que nessa que deveria ser a parte mais importante de Drive Girls, ele falha por ser extremamente raso e monótono. Durante a campanha você pode escolher uma de até cinco personagens que são liberadas conforme o progresso da história. Particularmente cada uma tem um estilo próprio e até possuem um kit de habilidades básicas interessantes, mas é só.

Nas lutas, você passa por arenas repletas de inimigos (as vezes nem tanto) com duas opções básicas de ataque. Não há opções de combo, então tudo se trata de esmagar o Triângulo ou o Quadrado. Sua única opção de defesa é um dash simples, mas que não funciona muito bem, especialmente por conta da câmera que é horrorosa. Não existe um controle automático, você tem que ajustá-la a todo momento com o analógico direito, ao mesmo tempo que se está cercado de inimigos. Isso também torna comum você apanhar de alguma criatura que você não estava vendo, sem chance de defesa.


Agora pegue essa fórmula e repita por inúmeras fases e o jogo é isso. Hordas de inimigos (geralmente iguais), avança no mapa, nova horda e por assim vai. Eventualmente alguns chefes aparecem, mas eles são só sacos de HP, nada que demande estratégias diferentes. Os mapas são praticamente a mesma coisa, algumas mudanças visuais dependendo do local onde você está na história, mas a bem da verdade só muda a cor.

Problemas similares acontecem na parte “carro” do jogo. Se você viu no trailer que bater nos monstros na forma de carro é uma boa, esquece. Você só tem um movimento e sua mobilidade é bem reduzida. Você usará mais essa forma para se deslocar entre um ponto com inimigos e outro. Existem algumas corridas entre personagens, mas bem poucas e no final das contas nem fazem falta. Os controles do modo veículo são bem fracos deixando a desejar para qualquer jogo de corrida do mercado, além das pistas serem sempre umas retas sem fim. E um detalhe interessante, o mesmo botão que serve para o boost é o que alterna o modo entre humano e carro, dependendo do tempo em que é mantido pressionado. Acredito que vocês devem imaginar o que acontece por conta disso, não?


Para fechar esse assunto, é possível “tunar” seus personagens com adesivos que dão atributos variados. Seria uma ideia interessante se eles realmente mudaram o visual do carro, especialmente quando você fecha o set completo, mas eles parecem aqueles adesivos de caderno universitário. Quando na forma humana, eles também aparecem, mas menores ainda. Seu personagem só muda de visual quando perde muito HP e a armadura quebra, ficando somente em “trajes de banho”.

Entre outros recursos, Drive Girls oferece um modo multiplayer online e via ad hoc. Em ambos os casos não consegui testar a função por falta de pessoal.

Hoje sim! Hoje não... 

Drive Girls poderia ser um jogo incrível misturando ação com corridas, o que poderia agradar mesmo quem não curta animes. Mas ele falha em todos esses aspectos e se torna um jogo simplório que se torna repetitivo ao longo do tempo. Nem os combates nem os carros se salvam. Se você quiser algo desses estilos para o seu Vita ou mesmo algum jogo cheio de fan service, existem opções melhores.

Prós

  • Artes e modelos dos personagens são OK.

Contras

  • Inimigos repetidos ao montes;
  • Sistema de luta simplório e monótono;
  • Sistema de personalização fraco;
  • Controle do modo carro deixa a desejar.

 Drive Girls — PS Vita — Nota: 5.0
 Revisão: Ana Krishna Peixoto
Flávio Augusto Priori é formado em design de jogos e tenta ganhar a vida com esse negócio chamado video game. Para ele Metal Gear é a melhor série já feita e ainda acredita na volta da SEGA. Escrevia para o saudoso Minha Tia Joga LoL e hoje pode ser achado no Facebook e no Twitter.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook