Blast from the Past

O abraço da valquíria: contos de morte, amor e guerra em Valkyrie Profile (PS)

Em 1999, pela versão japonesa, e em 2000 pela norte-americana, fomos convidados a entrar em um novo mundo. Diferente dos RPGs de seu tempo... (por Pedro Vicente em 21/04/2013, via PlayStation Blast)

Em 1999, pela versão japonesa, e em 2000 pela norte-americana, fomos convidados a entrar em um novo mundo. Diferente dos RPGs de seu tempo, Valkyrie Profile significou uma experiência ímpar em termos tanto de jogabilidade quanto de enredo. Desenvolvido pela fantástica Tri-Ace (Star Ocean, Radiata Stories, e o mais recente Ressonance of Fate) e publicado pela, então, Enix, o jogo tem como tema a mitologia nórdica. Relembre, ou simplesmente conheça, esse magnífico jogo que conseguiu se destacar pela originalidade e sensibilidade.

O mundo de Odin

Em diversos jogos vemos elementos inspirados pela mitologia nórdica, desde o uso da árvore Yggdrasil de alguma maneira no enredo, até a nomeação de um dos summons mais queridos dos fãs de Final Fantasy, Odin. Mas Valkyrie Profile não faz simples homenagens ou referências, todo o enredo e ambientação do jogo estão imersos dentro desta fantástica mitologia. Cabe ressaltar, entretanto, que o jogo é totalmente inspirado mas não totalmente fiel à essa mitologia.

Lenneth, a personagem principal, é uma valquíria, uma guerreira das fileiras de Odin que não têm apenas a função de guerrear, mas também de recrutar novos guerreiros. Mas para que recrutar novos guerreiros? Porque o Ragnarok, batalha apocalíptica do mundo nórdico, está próximo.

Dessa forma o jogador é apresentado ao enredo. Com a chegada da batalha entre Asgard, morada dos deuses, e Jotunheim, local dos Vanir, Lenneth realiza um série de missões, ao mesmo tempo em que recruta e prepara guerreiros para a épica batalha que se aproxima.

Cada um no seu botão

Um dos grandes trunfos de Valkyrie Profile é a maneira jogável pela qual as especificidades do enredo se desenvolvem. Desde a exploração de dungeons e ambientações, passando pelo excelente sistema de batalha, até uma série de possibilidades que criam uma experiência de jogo muito sólida e bem executada, ao mesmo tempo que funcional para a estória que está sendo contada.

A batalha do jogo mistura elementos de ação na tradicional batalha do RPG. O turno aqui é diferente. Cada um dos quatro personagens é posicionado, e a cada um deles é atribuido um dos quatro botões do controle,
respectivamente referentes à formação dos guerreiros, ou seja, o guerreiro que fica abaixo é acionado pelo botão X, enquanto o que fica na parte de cima da formação é acionado pelo triângulo. Cada guerreiro tem sua movimentação de ataque, e cabe ao jogador combinar da melhor maneira possível o ataque do grupo em conjunto. Assim, quando a barra de hit chega a 100%, o jogador pode escolher um dos guerreiros para realizar um ataque especial chamado Purify Weird Soul (purificacão de alma estranha). Esses especiais são momentos que saltam aos olhos pela sua potência e pela estética dos, às vezes, gigantescos combos.

Acompanhe, no vídeo abaixo, a fluída e sensacional batalha do game, assim como o maravilhoso tema musical desta.

Notas te fazem passar de ano, digo, de capítulo

Muita calma nessa hora
A cada capítulo, Lenneth tem que alistar mais pessoas. E esse alistamento é feito de maneira sensacional. A exploração do mapa é em 3D, e Lenneth voa por sobre o continente dos homens em Midgard. Ao início de cada capítulo Lenneth pode realizar o Spiritual Concentration (concentração espiritual) para poder identificar novas dungeons e, sobretudo, novos guerreiros. Assim, os pontos aparecem no mapa e podemos entrar no local de recrutamento, ou em alguma missão específica. Cabe apontar, por hora, que cada um desses momentos de alistamento dos guerreiros, os Einherjar, é único.

E ao fim do capítulo o jogador é levado ao Sacred Phase, no qual pode gastar os pontos que ganhou comprando itens (não existem lojas no jogo), assim como mandar determinados guerreiros para a guerra, ou seja, ele deixa o grupo para se juntar a batalha. Essa parte da jogabilidade abre uma gama de possibilidades e estratégias. Ora, a cada capítulo Lenneth tem de atender a pedidos de guerreiros mais específicos. Assim, cabe ao jogador treinar o personagem durante o capítulo, para enviá-lo ao fim. E isso é um dos momentos que mais contam na gradação do jogador. Em Valkyrie Profile, ao fim de cada capítulo o jogador recebe uma nota. Esse sistema de pontuação é fundamental para que se possa chegar a um determinado final do jogo.

Homenagem ao 2D

Na exploração dos locais (cidades e dungeons) a câmera do jogo assume a forma de visão lateral, e Lenneth se move pelo cenário. Nos locais de missões e batalhas, a valquíria pode pular, assim como soltar um projétil que paralisa os inimigos por um tempo, e que pode ser usado como suporte para subir em locais mais altos. Esse momento do jogo é uma saborosa homenagem aos jogos em 2D, assim como uma competente e divertida maneira de se passar pelos cenários.

Passeio em 2D por cenários magníficos

Os contos

Na minha opinião o momento mais sublime de Valkyrie Profile é o de recrutamento de cada guerreiro. O jogo é extremamente competente e bem executado, todos os elementos apontados acima formam um jogo realmente formidável e diverso do que havia disponível em se tratando de RPGs: a sensacional batalha, a exploração divertida, a estratégia de cada capítulo. Ainda assim, o momento do recrutamento é o mais especial desse jogo.

A vida não é dicotômica
Do alto do céu, Lenneth houve as súplicas dos seres humanos. E quando vai até o local de origem destas, encontra pessoas, histórias, dores e amores, tudo isso no momento da morte do lutador. A valquíria é ligada à morte, e vem ao mundo para levar os Einherjar. Assim, quando morre o guerreiro, ele pode se juntar ao exército de Odin.

Cada momento desse é único, e faz o jogador, de imediato, criar empatia com aquela personagem nova que está para se unir ao seu grupo. São estórias de tristeza, de sacrifício, de luta, e, sobretudo, de amor. Em cada um desses contos um, ou mais, aspectos do novo guerreiro vêm a tona, assim como uma série de sentimentos e posturas humanas, desde egoísmo e soberba, até o mais puro altruísmo no fato de dar sua vida pela de um outro.

A valquíria, Lenneth, não passa imune à esses momentos. Ela própria tem de lidar com todo esse mar de emoções, mesmo sendo uma divindade. Ela mesma tem de enfrentar o abismo que a olha quando esta olha para ele, citando aqui Nietzsche. E, dependendo do rumo de cada capítulo e da realização de certas situações, o jogador poderá entrar em contato com o conto da vida de Lenneth.

Deixo abaixo apenas um (do começo do game) desses muitos momentos, sempre embalados pelo melancólico tema musical.

Saudades de Asgard

Como apontei durante o texto, Valkyrie Profile é um jogo único. A experiência que ele proporciona a quem se deixa levar também é singular. Se trata de um jogo maravilhoso, muito bem executado e extremamente sensível. Espero ter feito vocês terem vontade de (re)jogar esta maravilha, da mesma forma que fiquei ao escrever essa matéria. Valkyrie Profile tem versões para PlayStation e PSP, assim como uma continuação para PlayStation 2, e um spin-off para Nintendo DS.


Revisão: Leandro Freire
Capa: Felipe Araujo
Pedro Vicente é um homem sem qualidades. Para se esquecer das décadas de fracassos de sua vida real, resolveu passar parte do seu dia jogando. Iniciado nos games por Adventures e JRPGs, hoje em dia joga de tudo. Gosta muito de escrever sobre jogos, mas só dá nota 10 para games em que você pode dar Suplex em um trem.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook