Jogamos

Análise: The Walking Dead volta ao PS Vita com All That Remains

Série retorna ao portátil, em formato digital pela PlayStation Store, com muita tensão acompanhada de uma boa dose de ação.

Anteriormente em The Walking Dead... conhecemos Clementine, uma menininha inteligente e sagaz que acabou perdendo seus pais durante um terrível surto de zumbis. Ninguém sabia ao certo como ou por que isso aconteceu, mas uma coisa era certa: o mundo já não era mais o mesmo. Foi então que Lee, um ex-professor condenado por assassinato, entrou em sua vida. Eles logo formaram laços de profunda amizade e respeito, onde Lee acabou se tornando uma figura paterna para a pequena Clem.


A dupla e seus amigos trilharam caminhos repletos de perigos e duras escolhas que testaram sua índole e lealdade. Juntos, eles descobriram que nem todo mundo é confiável, que nem todos são bondosos e que, não importa o quanto tentem, nem sempre dá pra salvar todo mundo. Aprenderam a prezar pelas próprias vidas e pelas de seus amigos. Aprenderam a sobreviver e, principal e infelizmente, que a dor é ainda maior quando perdemos alguém muito próximo. E que ninguém nunca está realmente seguro.


Tudo o que resta...

The Walking Dead: Season Two começa com duas notícias, uma boa e outra ruim. A boa é que Clementine conseguiu encontrar Christa e Omid no final do episódio 5 de TWD Season One, e que o casal vai ter um bebê. A ruim é que o mundo ainda está um caos, cheio de zumbis perambulando por aí.

O Trio decide fazer uma parada em um posto de gasolina abandonado, sem nenhum morto-vivo por perto, onde poderiam se limpar e descansar por algum tempo. Eles se separam, deixando Clementine ir a um dos banheiros sozinha... e logo as coisas começam a dar errado. É a Telltale nos dizendo que o perigo está sempre à espreita. Em poucos minutos de jogo tudo vira de cabeça pra baixo, Clementine se vê novamente sozinha e precisa se virar para sobreviver. E cabe a você mantê-la em segurança.


O primeiro episódio da segunda temporada de TWD deixa claro que a proposta da Telltale não mudou. Você ainda vai precisar vasculhar cenários em busca de itens, ainda vai precisar evitar ao máximo encarar os zumbis e, a todo momento, vai precisar pensar rápido nas suas escolhas — sejam elas durante diálogos ou cenas de ação.

Aliás, se o Season One prezava pelo suspense, o Season Two aposta em momentos de muita ação mesclada com momentos de bastante tensão. Não vai ser difícil se pegar apertando os controles ou deslizando os dedos pela tela de toque feito um louco para impedir que Clementine dê de cara com um zumbi fedorento e faminto. Talvez por isso o episódio pareça um pouco menor do que os do Season One, é como se tudo fosse um pouco mais corrido.

Uma adição muito bem-vinda foi a possibilidade de jogar com os controles tradicionais ou pela touchscreen sem a necessidade de se alterar quaisquer opções. Se algum trecho do jogo ficar muito complicado de concluir pressionando o direcional ou puxando o analógico, basta deslizar os dedos na tela e pronto, problema resolvido. Os dois controles estão simultaneamente habilitados desde o início do jogo. Ponto pra equipe da Telltale.


Outra mudança muito útil foi a inserção de círculos maiores em volta de locais onde possa haver interação. Dessa forma fica muito mais fácil agarrar um tijolo no chão para se defender de um zumbi louco para tirar um pedacinho da sua perna, por exemplo. Basta deslizar o ícone de interação até o círculo que envolve o tijolo e pronto, os botões de ação ficam disponíveis. Ainda em relação aos controles, dessa vez o direcional tem papel diferente dos botões do lado direito do PS Vita; enquanto Quadrado, Xis, Bola e Triângulo executam ações como pegar, olhar e falar, por exemplo, o direcional tem a função de controlar o inventário. O botão R também tem papel fundamental em diversos trechos do jogo, servindo tanto como botão de ação durante algumas QTEs quanto como para fazer o personagem "correr" (leia-se "andar mais depressa").

... é tentar sobreviver

All That Remains traz diversas melhorias em relação ao episódio anterior da série. O visual do jogo parece muito mais caprichado, com design de personagens mais detalhado e com movimentação mais natural do que os vistos anteriormente. Dessa vez parece que houve uma atenção e cuidado redobrados na hora de portar o game para o Vita, já que a quantidade de bugs e quedas na taxa de quadros por segundo diminuíram drásticamente.

Ainda assim, existem alguns slowdowns e pequenos probleminhas (como controles que não respondem tão bem durante algumas QTEs, obrigando a utilizar a tela de toque), mas nada que nos deixe com vontade de arremessar o portátil contra a parede (TWD Season One, estou olhando para você).


Como era de se esperar, é possível carregar seus arquivos de jogo da primeira temporada salvos no PS Vita e utilizá-los para dar continuidade à história de Clementine. Dessa forma, algumas das suas escolhas impactam na forma como a garota se comporta ou interage com alguns objetos e pessoas, além de influenciarem alguns diálogos. Caso você não tenha jogado a temporada anterior ou não tenha os saves no portátil, o próprio jogo se encarrega de criar situações genéricas para dar prosseguimento à trama.

Ainda que não seja perfeito, TWDS2 mostra diversas melhorias em relação à primeira temporada portada para o Vita — principalmente no que diz respeito à performance do jogo. O título tem seus altos e baixos, mas a quantidade de qualidades (que incluem melhorias nos controles, gráficos e até uma imensamente maior estabilidade da framerate) superam de longe todos os defeitos que o game apresenta.

Prós

  • História envolvente, com elementos de ação e tensão na medida certa;
  • Controles, tanto os tradicionais quanto os de toque, aprimorados e mais precisos;
  • Gráficos bem trabalhados, melhores que os do jogo anterior, incluindo interface mais elegante que, somada às melhorias dos controles, torna a jogabilidade mais intuitiva;
  • Port muito melhor trabalhado do que o do título anterior, permitindo maior estabilidade na taxa de quadros por segundo e do jogo como um todo.

Contras

  • Ainda existem momentos onde acontecem slowdowns, principalmente quando há muitos elementos sendo exibidos ao mesmo tempo, além de alguns pequenos bugs;
  • O episódio parece menor que os do jogo anterior.

The Walking Dead: Season Two - Episode One: All That Remains - PSN/PlayStation Vita - Nota: 9.0
Capa: Douglas Fernandes
Rodrigo Estevam é formado em Administração, mas seu negócio mesmo é jogar videogames. Além de escrever no PlayStation Blast, também é colaborador e colunista da Revista Nintendo World. Está no Facebook e no Twitter.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook