Perfil

Aloy, a destemida protagonista de Horizon Zero Dawn (PS4)

Horizon Zero Dawn (PS4) nos traz uma intrigante personagem, Aloy, que busca descobrir sobre seu passado.

O tão esperado game, Horizon Zero Dawn (PS4), começou a ser criado em 2011. A desenvolvedora Guerrilla Games iniciou utilizando a engine usada em Killzone 3 (PS3) e Killzone: Shadow Fall (PS4). Inicialmente o jogo continha apenas três pilares, sendo estas a beleza da natureza, as máquinas e a protagonista do jogo, Aloy.

A Guerrilla queria uma protagonista do gênero feminino em seu novo título, para sair do padrão de protagonistas masculinos da franquia Killzone. Aloy foi baseada na atriz holandesa Hannah Hoekstra e sua voz vem da atriz americana Ashly Burch. Vamos descobrir um pouco mais sobre essa personagem e a forma como ela foi criada. O texto a seguir contém alguns spoilers sobre o enredo do jogo, leia por sua conta e risco.

Busca pela verdade

Aloy pertence à tribo dos Nora, uma sociedade matriarcal, que venera a Mãe de Todos. Ao nascer, ela foi exilada de sua tribo e as circunstâncias de seu nascimento mantidas em segredo. Isto fez com que ela fosse criada por outro membro dessa tribo, que também foi exilado, Rost. O homem batizou a jovem garota e a treinou tornando-a uma excelente caçadora e ensinando-a sobre as leis da tribo.

A princípio, Aloy queria ser aceita novamente pelo seu povo e descobrir o motivo de ter sido exilada. Graças a esse motivo, a jovem treinou com Rost para se tornar uma boa caçadora. Porém, durante a provação, Aloy e todos os jovens participantes sofrem um ataque de cultistas, que acabam matando Rost e vários outros garotos.


Após acordar na montanha onde vivem as matriarcas, Aloy descobre sobre seu nascimento incomum. Um dia uma grande porta de metal que fica na montanha sagrada para os Nora se abriu e uma garotinha foi deixada ao lado de fora. Com o decorrer do jogo descobrimos a verdade sobre a montanha e sobre a “mãe” da heroína.

Uma das matriarcas, Teersa, que acreditava que Aloy era uma dádiva da montanha, diz a nossa protagonista que ela tem um grande futuro pela frente e que ela deve buscar respostas fora da tribo, nomeando-a de Seeker e permitindo que a jovem busque respostas e vingança contra os cultistas pelo mundo afora.

Caçadora de máquinas

Quando criança, Aloy caiu em uma caverna e após explorá-la, achou um objeto incomum dos tempos antigos chamado de Focus. O Focus é um pequeno objeto que fica preso na orelha e cria um visor no olho próximo. Este objeto permite ao usuário ver coisas que talvez fossem imperceptíveis, como pegadas numa floresta ou as fraquezas dos inimigos, sendo um artefato útil e importante na jornada da protagonista.

Aloy também possui um pequeno arsenal de armas usadas em sua aventura. Sendo elas, um arco, um estilingue, um lança-corda, uma armadilheira e um chocalho. Cada arma pode ter alguns espaços que permitem o encaixe de pedras que fornecem melhorias para as armas da protagonista. E, para cada arma, Aloy conta com munição feita ao coletar objetos e peças dos robôs destruídos e da natureza. Contando com flechas elétricas, bombas de gelo e até mesmo armadilhas de fogo.


Outro objeto importante para a nossa protagonista é sua lança, usada para golpear inimigos caídos. Porém, com o passar do tempo, obtemos um objeto que permite corromper as máquinas, transformando-as em aliadas para lutar ao nosso lado ou para que as possamos usar como montaria. Mas esta função é fraca, a princípio,  e necessita da coleta de informações contidas em locais para aprimorá-la.

As roupas usadas pela heroína são tão belas quanto as armas, misturando a cultura das tribos que existem no jogo. As roupas são uma linda mistura de peças antigas com pedaços de metal. Assim como as armas, elas possuem estatísticas, sendo que cada peça possui habilidades próprias e um determinado número de espaços para as pedras de aprimoramento, permitindo ao jogador controle sobre a forma de jogar.


Aloy, a Seeker

Aloy aparenta ser uma pessoa curiosa e destemida, buscando sempre respostas para o que aconteceu com os antigos e sobre seu passado. Após conseguir o Focus, a jovem se torna mais ciente sobre o que acontece ao seu redor. Essa curiosidade também a levou a se tornar mais descrente aos costumes da tribo, se tornando frustrada e irritada ao ser indicada como Seeker da tribo e aclamada por eles.

O fato de não conhecer sua mãe e se tornar uma exilada fez a garota sofrer muito, gerando a motivação de ser aceita pela tribo e descobrir sobre seu passado. Ela tinha uma forte relação com Rost, a quem ela via como um pai. Apesar de todos os problemas durante sua jornada, Aloy sempre se recompõe, demonstrando uma força física e mental impressionante e buscando sempre completar seus objetivos.


A medida em que jogamos também somos apresentados a possíveis ações para a personagem. Quando um NPC se dirige a jovem, algumas vezes, podemos escolher a resposta de Aloy, estas são divididas em três tipos de respostas, sendo elas: lógica, emocional ou mais bruta. Essas respostas impactam em alguns personagens, podendo mudar a forma deles falarem com a heroína, permitindo uma imersão maior no jogo e um vínculo maior com a heroína.

Protetora dos reinos

Durante sua jornada Aloy demonstra disposição para ajudar todos que aparecem. E com isso ela cria muitos amigos e descobre muitos fatos sobre o passado. Após descobrir a origem de seu nascimento e derrotar o culto maligno que tentou lhe matar, a jovem se vê com o dever de proteger o mundo e recuperá-lo para que a humanidade floresça novamente.


Sabendo que o mundo é maior do que ela pensava, a jovem Nora, acha o túmulo de Elisabet Sobeck, a cientista que nos tempos antigos conseguiu proteger o mundo da total aniquilação. Porém, a entidade que controlava o culto continua viva nas mãos de Silas, um homem que procura conhecimento sobre os antigos e que ajudou Aloy em sua jornada.

Talvez com um tempo a Guerrilla Games lance um novo jogo ou uma nova expansão para esse belo mundo. Quem sabe nos encontraremos novamente com Aloy em uma nova jornada para salvar e reparar o mundo, talvez num novo cenário, com novos inimigos e novas máquinas? Tudo que podemos fazer é torcer para que isso não demore muito.


Eu me diverti muito com essa incrível personagem. E vocês têm interesse em conhecer o jogo? Já jogaram? Diga nos comentários.

Revisão: Ana Krishna Peixoto
Antonio Stark escreve para o PlayStation Blast sob a licença Creative Commons BY-SA 3.0. Você pode usar e compartilhar este conteúdo desde que credite o autor e veículo original do mesmo.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook