Top 10

Os melhores RPGs para PlayStation 4

Separamos 10 dos melhores jogos do gênero. Afie sua espada, prepare suas poções de mana e prepare-se para o combate!

Em todos esses anos como fã de videogames conheci poucas coisas que mais rendem boas discussões do que o tema RPG’s. Desde  “qual o melhor Final Fantasy?” até qual elemento realmente define o gênero as pautas são inúmeras. Talvez este seja o mais forte indício  sobre o poder  deste gênero de criar laços mais profundos com seus fãs, seja por suas histórias mais profundas ou pelas inúmeras horas de exploração proporcionadas.




Assim, assumi a missão de separar aqui os 10 melhores RPG’s disponíveis noPlayStation 4, o que se revelou uma tarefa mais complexa do que imaginei. Isso porque, além da vasta gama de títulos disponíveis, ainda existem tantos outros que ficam ali na area cinza que podem ou não ser considerados títulos do gênero. Alguns exemplos disso são jogos  como Bloodborne e Horizon: Zero Dawn que ao meu ver, estão mais para jogos de ação e por isso não figuram por aqui.

10) Kingdom Come: Deliverance

Jogos de RPG nos videogames geralmente nos levam a mundos fantásticos das  mais variadas espécies . Só por isso Kingdom Come: Deliverance se distingue dos demais ao trazer como pano de fundo a nossa própria História, focado mais especificamente no período conhecido com a Idade Média, com seus exércitos e castelos, trazendo assim uma pegada mais realista ao gênero.

Tendo a fidelidade histórica como um de seus maiores atrativos, Deliverance nos traz a saga de Henry, filho de ferreiros que partira em uma jornada para vingar seus pais e afastar o caos instaurado na região da Boêmia.

Essa riqueza de detalhes somada aos seus sistemas de batalha e mecânicas que levam todo o contexto histórico em consideração fazem Kingdom Come ser uma pedida interessante.


09) Tales of Berseria

O mais recente jogo da série “Tales of” é também uma das melhores entradas da franquia. Ambientando no mesmo universo de seu antecessor Tales of Zestiria, mas se passando algumas centenas de anos antes, Tales of Berseria melhorou e aprimorou muitas coisas de seu irmão mais velho.

O jogo conta a história de Velvet Crowe na sua busca por vingança contra aqueles que mataram seus entes próximos. Ela tem uma personalidade bem diferente de Sorey, protagonista de Zestiria, e está longe de ser uma paladina da justiça. O restante do grupo também é composto de personagens bem interessantes que fazem a história andar de forma interessante.

Quanto ao sistema de batalha, embora os combates se dêem em áreas fechadas, a movimentação é livre, trazendo boa variedade de ataques e combinações ofensivas.


08) Ni No Kuni II: Revenant Kingdom

O primeiro Ni no Kuni é um RPG que tinha como maior destaque a arte característica do Estúdio Ghibli, responsável por algumas das melhores animações já produzidas na humanidade. Mesmo contando com uma história interessante e bons personagens, sinto que ele pecou um pouco nas mecânicas de batalha. Ao menos foi o que me pegou.

Ni No Kuni II parece ter arrumando esses problemas e mantido as qualidades de seu antecessor. Trazendo uma história totalmente nova, esse novo capítulo é outro caso no qual a sequência supera seu antecessor. Vale dar uma chance.


07) Final Fantasy XV: Royal Edition

O décimo quinto capítulo da saga Final Fantasy levou mais de 10 anos em seu processo de desenvolvimento, com inúmeras mudanças nas direções do projeto. Ainda assim, o resultado final foi bem positivo.

Sua trama é relativamente simples: Noctis é o príncipe de Lucis, um reino que foi invadido e tomado pelo império de Nilfhein. Com ajuda de seus amigos ele deve recuperar o poder de seus antepassados e restaurar o trono. A campanha não é muito grande comparada a outros Final Fantasy, mas o jogo traz bastante conteúdos extra, pra passar das 60 horas de jogo fácil.

Mas entre todos os seus altos e baixos, o grande destaque em FF XV, o que ele faz de melhor, é a evolução dos vínculos de amizade entre o grupo formado por Noctis, Gladiolus, Ignis e Prompto. A relação entre eles cresce de forma sutil mas poderosa, com pequenas cenas e até mesmo alguns diálogos descompromissados.  Esse crescente vai até o final do jogo, o qual culmina em uma das passagens mais bonitas de um Final Fantasy que já joguei.

Por fim, note que adicionei o “Royal Edition” no título porque, além de trazer os DLCs, esta versão adiciona conteúdos muito importantes para trama. Coisas que deveriam estar no lançamento inicial, mas enfim, isso é discussão para outra hora.


06) Dragon Age: Inquisition

O terceiro e último grande jogo da série, Dragon Age: Inquisition pode até passar batido por alguns, mas com certeza é um dos grandes RPGs dessa geração. Uma das melhores obras já produzidas pelas Bioware.

Você como protagonista da história irá liderar a Inquisição, ordem restaurada para combater os demônios que começaram a aparecer após fendas surgirem nos céus. Seu herói é o único que tem o dom de fechar essas fendas, o que gera desconfiança de muitos outros.

Os combates podem se alternar entre o modo de ação e o estratégico, cada um com suas peculiaridades, ambos muito bem desenvolvidos. E como falamos de jogos da Bioware, claro que arrumar uma (ou mais) parcerias amorosas também faz parte do pacote.


05) Undertale

Undertale é um jogo bastante único, no sentido de que ao mesmo tempo em que presta homenagem aos grandes RPG’s dos anos 90 também distorce algumas convenções clássicas do gênero.

Com uma forte veia no humor, linhas de diálogo impagáveis, quebras da quarta parede e mecânicas que desafiam o jogador já acostumado com outros jogos fazem desse pequeno indie um título indispensável para ser jogado.


04) Divinity: Original Sin Enhanced Edition

Talvez o mais próximo dessa lista que se aproxime dos RPG’s de mesa, Divinity: Original Sin se destaca por sua complexidade tanto nas interações com NPCs como nas mecânicas de batalha.

Um dos diferenciais do jogo se dá pelo fato do jogador controlar uma dupla de heróis, fato esse que impacta até na progressão de missões. Em diversos momentos os dois podem ter opiniões divergentes sobre uma resposta, o que inicia um mini-game. Isso pode desencadear escolhas diferentes das desejadas, o que é algo bem legal para um RPG.

Outro ponto que merece destaque é que Original Sin permite que você jogue absolutamente toda a campanha de forma cooperativa com um amigo. O que naturalmente se mostra um atrativo a mais para o game.

Por último, vale lembrar que a sequência, Original Sin 2, já saiu para PCs ano passado e está prevista para chegar aos consoles em agosto deste ano.


03) Final Fantasy XIV: A Realm Reborn

Acho apropriado termos um MMORPG nessa lista, e mais apropriado ainda que ele seja FFXIV: A Realm Reborn. Após uma primeira versão horrível, que ajudou a Square Enix a quase ir para o buraco, A Realm Reborn foi um ressurgimento das cinzas para a franquia.

Atualmente o jogo se encontra no meio da sua segunda grande expansão, Stormblood, sempre adicionando novos mapas, classes e desafios. Infelizmente para quem mora aqui no Brasil o jogo pode sair um pouco salgado, já que ele adota o modelo de mensalidade, mas para quem está disposto a pagar, vale a pena.


02) Persona 5

Quando a conversa é sobre RPG’s famosos, talvez a série Persona não seja a primeira a ser lembrada, mas isso não significa que os jogos da série não figurem fácil entre os grandes títulos do gênero. Persona 5, jogo mais recente da franquia, é sem dúvida  considerado por muitos como o melhor de todos.

Lançado em 2016 no Japão o jogo demorou quase um ano para chegar ao ocidente, mas aqueles que esperaram foram recompensados. Com uma direção de arte incrível e bem característica, Persona 5 tem tudo o que se espera de um jogo da série: uma bela história, personagens marcantes e um sistema de batalha excelente. Se ainda não jogou, faça um favor a si mesmo e coloque ele na sua lista.


01) The Witcher 3: Wild Hunt

Fechando essa lista, ninguém menos que o bruxeiro favorito de todos nós.  Isso porque sem sombra de dúvidas, The Witcher 3: Wild Hunt é um autêntico clássico dos RPGs, fechando a trilogia The Witcher de forma irretocável.

Sendo o primeiro produzido já para a atual geração de consoles, The Witcher 3 expande o universo da série trazendo ainda mais drama para a história de Geralt de Rivia. No que diz respeito a mecânicas, o game usa muito bem o recurso do mundo aberto para oferecer uma grande experiência na jornada do jogador, sempre com algo para ser explorado.



---

Por fim, vale encerrar com algumas menções honrosas que valem uma conferida: Fallout 4, Ys VII: Lacrimosa of Dana (e todo o resto da série Ys também), Diablo 3, Dragon Quest Builders, Final Fantasy XII: The Zodiac Age, South Park: A Fenda que Abunda a Força só para citar alguns. Também vale comentar que dois grandes nomes ainda estão por vir: Dragon Quest XI: Echoes of a Elusive Age está agendado para o dia quatro de setembro. O outro nome é Kingdom Hearts 3 que talvez chegue ainda em 2018, se os rumores estiverem corretos.

Agora fica a deixa para vocês, amigos leitores. Quais são os melhores RPGs de PS4? Deixem ai nos comentários!

Revisão: Bruno Ritter
Flávio Augusto Priori é formado em design de jogos e tenta ganhar a vida com esse negócio chamado video game. Para ele Metal Gear é a melhor série já feita e ainda acredita na volta da SEGA. Escrevia para o saudoso Minha Tia Joga LoL e hoje pode ser achado no Facebook e no Twitter.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook