Blast from the Past

Spider-Man 2: Enter Electro (PS) continua a saga do herói aracnídeo no Playstation

Continuação direta do primeiro jogo em 3D do Homem-Aranha, vamos relembrar mais um sucesso do saudoso Playstation.


Lançado em 2000, Spider-Man (PS) foi bem recebido pelo público e pela crítica. Muito mais do que a estréia do cabeça-de-teia no universo tridimensional dos videogames, o título contava com boas características como jogabilidade divertida, personagens bem adaptados e uma história digna dos melhores quadrinhos. Com toda esta popularidade, nada mais lógico que o game tivesse um sucessor, que veio com o lançamento de Spider-Man 2: Enter Electro (PS). Vamos conferir mais este clássico neste Blast from the Past.

Uma história em quadrinhos jogável

Seguindo a boa recepção de seu predecessor, Spider-Man 2: Enter Electro foi lançado em outubro de 2001 com produção da Vicarious Visions, substituindo a produtora Neversoft. Apesar disso, o game é bastante semelhante ao anterior, mantendo boa parte dos pontos fortes, embora sem inovações significativas. Para os fãs do principal herói aracnídeo da Marvel, este é um título obrigatório, com destaques para sua história inédita (que parte do fim do enredo passado) e jogabilidade divertida.

A galeria de malfeitores do título inclui: Shocker, que dispara poderosas ondas de choque; Cabeça-de-Martelo (Hammerhead), cuja cabeça reforçada com um metal resistente lhe permite disparar cabeçadas destruidoras; Lagarto (Lizard), alter ego reptiliano do Dr. Curt Connors que conta com força e agilidade ampliadas, além de uma perigosa cauda; Homem-Areia (Sandman), um vilão feito de pura areia que pode atacar com martelos gigantes ou até tempestades devastadoras; e o vilão principal do game Electro, com seu controle sobre a eletricidade.
Electro é o grande vilão do jogo
Além da história principal, o game conta com bons extras, principalmente para os fãs do herói aracnídeo. É possível reprisar qualquer missão de Enter Electro, inclusive escolhendo a dificuldade e o uniforme. Isso mesmo, o uniforme. Neste título (assim como no anterior) o personagem principal tem diversas "roupas" diferentes, que podem ser desbloqueadas ao serem encontradas nas fases do jogo. Elas incluem o traje do simbionte Venom e até mesmo uma versão “Aranha-Fênix”, onde o cabeça-de-teia é hospedeiro da entidade cósmica Fênix, conhecida das histórias dos X-Men. Boa parte delas tem poderes especiais, que inclusive podem ser editados pelo jogador.
O uniforme Aranha Escarlate é uma das muitas opções do guarda-roupa
Também é possível colecionar capas de diversas edições da revista do herói aracnídeo, escondidas nos níveis do jogo. O modo de treinamento do título se passa na Sala de Perigo, um simulador saído diretamente das histórias dos X-Men. Os personagens Vampira e Professor Xavier dão dicas para o herói aracnídeo sobre como ele (e o jogador) devem agir para derrotar os vilões e cumprir as missões do jogo. Tudo isso sem contar no bom e velho menu de Cheats, tão comum nos jogos da época e que permite liberar vários segredos. Uma curiosidade é que caso o jogador inserisse algum palavrão como código, o Homem-Aranha aparece e troca a palavra por algo mais politicamente correto.

Com grandes poderes...

Spider-Man 2: Enter Electro apresenta gráficos bastante coloridos e competentes, contando com texturas, ambientações e personagens fiéis às suas origens nos quadrinhos. Com narração do icônico Stan Lee (que, para quem não sabe, é um dos responsáveis pela criação do Homem-Aranha, Quarteto Fantástico, X-Men, entre outros), o jogo tem uma história bastante interessante, que acontece logo após os acontecimentos do primeiro game.
Toda a glória do vilão Lagarto em 32 bits
Após derrotar um grupo de malfeitores, o herói acaba no caminho do plano maligno de Electro. O vilão com controle sobre a eletricidade planeja obter o dispositivo Bio-Nexus, que consiste em um amplificador de energia. Com o aparelho, Electro aumentaria seus poderes para níveis inimagináveis, e assim se tornaria invencível. Durante as suas missões, o Homem-Aranha encontra mais pistas sobre as intenções de Electro e por fim acaba enfrentando o poderoso adversário.
Prepare-se para encarar o chefão final!
A jogabilidade é intuitiva e divertida, contando com combos de chutes e socos, além dos clássicos golpes com teia, que incluem disparar projéteis ou enrolar os inimigos. Existem diversos itens secretos que permitem ampliar os poderes do cabeça-de-teia, conferindo golpes de gelo e barra de vida extra. Tudo isso para enfrentar desafios como resgatar reféns, desarmar bombas, e, é claro, espancar alguns vilões malignos e seus capangas malvados.
"Segura esse avião!"
Um fato interessante do game é que o mesmo teve que ser modificado pouco antes do seu lançamento. Devido aos ataques do dia 11 de setembro nos Estados Unidos, todas as referências às Torres Gêmeas, que era até então um dos pontos turísticos da cidade de Nova Iorque, foram removidas do jogo. Estas alterações incluem boa parte do final do jogo, incluindo o epílogo, que contava com o Poderoso Thor e se passava no topo do World Trade Center.

... vem grandes responsabilidades

Apesar de ter boas qualidades, Enter Electro sofre de um problema que muitos outros jogos sofrem: a excelência de seu predecessor. Spider-Man é até hoje lembrado como um dos melhores jogos do amigão da vizinhança, quiçá do próprio PlayStation. O game contava com dublagem de qualidade, vários personagens consagrados dos quadrinhos, um roteiro original e interessante e uma excelente jogabilidade, todos itens inéditos na época para um personagem deste tipo.
Enter Electro é muito parecido com seu predecessor
Com exceção da nova história e da inserção de alguns novos personagens, Spider-Man 2 é muito semelhante ao anterior. Jogá-lo deixa aquela sensação de "eu já joguei isso em algum lugar". Não me entenda mal, pois muitas das mecânicas e conceitos são boas e merecem serem usados novamente. A questão é que o game carece (bastante) de inovações que o permitissem sair da sombra do seu predecessor, como melhora no aspecto gráfico ou então alguma mecânica de jogo nova.
Mesmo sendo um clássico, até o menu principal merecia uma repaginada
Outro ponto negativo do game é o seu nível de dificuldade, sobretudo no quesito evolução. Isso porque a curva de aprendizagem em Spider-Man 2 praticamente inexiste, visto que fases mais complicadas e mais simples se intercalam sem grande lógica. Por exemplo, o primeiro chefe é um dos mais desafiadores de Enter Electro, exigindo muita habilidade e um timing perfeito do jogador, mesmo que ele ainda não tenha muita familiaridade com o título.

Acima de tudo, um jogo divertido

Mesmo com estes pontos fracos, Spider-Man 2: Enter Electro ainda é um bom game. Jogar com o amigão da vizinhança é sempre garantia de diversão, e o título proporciona todo tipo de golpes e movimentos para derrotar os vilões, além das (agora) clássicas explorações andando pelas paredes e balançando com as teias. Mesmo sendo um pouco difícil em alguns momentos, vale a pena se aventurar em um jogo com uma história original e colorida, que conta com diversos desafios e extras para os fãs do Homem-Aranha.
Jogar como o Homem-Aranha é diversão garantida
 

Revisão: João Telhada
Matheus Senna de Oliveira é um grande fã da décima arte, embora ultimamente não tenha tido muito tempo disponível para ela. Seus games favoritos (que formam uma longa lista) incluem: Kingdom Hearts, Guitar Hero, Zelda, Crash, FIFA, COD, Pokémon, MvC, Yu-Gi-Oh, Resident Evil, Bayonetta, Persona, Burnout e Ratchet & Clank. Caso tu tenhas gostado da matéria que ele escreveu, é possível encontrar mais algumas no blog dele.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook