Blast from the Past

Relembre as aventuras do mestre da arte das duas espadas em Brave Fencer Musashi (PS)

A Squaresoft sempre foi conhecida como uma das maiores produtoras de RPG da era 32 bit com clássicos como Final Fantasy VII e Xenogear... (por Farley Santos em 26/04/2013, via PlayStation Blast)


A Squaresoft sempre foi conhecida como uma das maiores produtoras de RPG da era 32 bit com clássicos como Final Fantasy VII e Xenogears. A empresa também explorou variantes da fórmula, sendo Brave Fencer Musashi um desses títulos. O game, idealizado por Hironobu Sakaguchi, misturava RPG e ação, sendo constantemente comparado à série The Legend of Zelda por conta de algumas similaridades. O resultado foi uma aventura divertida e única, que infelizmente não foi tão popular.

Invocando o espadachim lendário

O reino de Allucaneet sempre foi um lugar pacífico e tranquilo. Tudo muda quando o reino vizinho Thirstquencher é tomado por Flatski. O vil personagem declara-se imperador e passa a atacar e dominar os territórios vizinhos. Fillet, a princesa de Allucaneet, decide fazer uma manobra desesperada: realizar um ritual a fim de invocar o herói das histórias antigas. Musashi, um jovem espadachim, é então transportado para Allucaneet.


O que Fillet não esperava era que o garoto não se importa com as disputas entre os reinos e fica irritado de ter sido tirado de sua terra natal. Entretanto, a princesa informa que só vai mandá-lo de volta caso Musashi resolva a situação. Sem alternativa, o jovem parte em uma jornada a fim de derrotar Thirstquencher. Para isso, Musashi recupera Lumina, a espada lendária. Para poder utilizar completamente as habilidades da lâmina e ter alguma chance contra o império maligno, o herói tem que quebrar cinco selos espalhados pelo reino.

O protagonista de Brave Fencer Musashi é baseado em Miyamoto Musashi, famoso samurai da era Tokugawa. O espadachim nipônico é conhecido por ter criado o estilo de luta Niten Ichi Ryu, no qual são utilizadas duas espadas no combate.

Dominando as duas espadas

Brave Fencer Musashi é um RPG de ação. Como o nome implica, o protagonista é um espadachim, que tem à disposição duas espadas. Fusion é uma katana e desfere ataques rápidos em sucessão. Musashi também pode lançá-la contra inimigos e absorver suas habilidades, algo necessário para resolver alguns puzzles e participar de minigames. Já Lumina é uma espada longa, lenta e poderosa, que ganha ataques especiais conforme seus selos são quebrados. Várias técnicas especiais, que utilizam ambas as lâminas, são aprendidas durante a aventura. A jogabilidade é rápida e precisa, salvo os pulos que são meio desajeitados. O game é constantemente comparado a Zelda por conta de sua câmera aérea e o combate com espadas.


Outra característica marcante no título é o sistema de dia e noite: conforme o jogador explora as regiões, as horas e dias vão passando. Isso afeta a vida na cidade, já que certas lojas só estão abertas em momentos específicos. Encontrar personagens e realizar missões paralelas também dependem do dia da semana e da hora. E claro, durante a noite inimigos mais poderosos aparecem nos calabouços. Outro ponto que necessita de atenção é a barra de fadiga de Musashi. Conforme o tempo passa, o herói vai se cansando. Quando o medidor chega ao nível crítico, o protagonista mal consegue atacar. Por outro lado, quando a barra se esgota completamente, Musashi cai no sono e fica completamente vulnerável a ataques inimigos. Recuperar o fôlego é simples: basta comer frutas raras ou dormir no hotel.

Um mundo vibrante

Os gráficos de Brave Fencer Musashi eram poligonais e bem detalhados para a época. A variedade de localidades era grande, passando por castelos congelados, florestas sombrias e montanhas, sem fugir do gênero fantasia medieval. Os personagens eram representados no estilo SD e contavam com cabeças grandes e detalhadas, o que dava um charme único ao título. Boa parte dos diálogos era dublada, uma pena que a trama seja bem básica e simples. Outro ponto alto é a parte sonora: o jogo contava com inúmeras composições animadas, que tinham várias características da música japonesa em conjunto com instrumentos modernos.


Aventura inesquecível

Por contar com controles precisos, jogabilidade divertida e personagens memoráveis, Brave Fencer Musashi foi bem recebido na época do lançamento. O game chegou a ter uma espécie de continuação para PS2 intitulada Musashi: Samurai Legend, que não foi tão aceita quanto o primeiro jogo, principalmente por conta das inúmeras mudanças. E vocês, tiveram a oportunidade de jogar este título?


Revisão: Catarine Aurora
Capa: Douglas Fernandes

Farley Santos é brasiliense e gosta de explorar games obscuros e pouco conhecidos. Fã de Yoko Shimomura, Yuzo Koshiro e Masashi Hamauzu, é apreciador de boardgames, game music, fotografia e livros. Além de mostrar seus cliques no Flickr, tem também um blog onde escreve sobre inúmeros assuntos.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook