Blast from the Past

Um exército indomável e a ação de sempre: relembre Mega Man X4 (PS)

A ameaça dos Mavericks  torna-se a cada dia mais controlável, graças aos esforços conjuntos das duas maiores organizações Reploids  da at... (por Thiago Pires em 21/06/2013, via PlayStation Blast)


A ameaça dos Mavericks torna-se a cada dia mais controlável, graças aos esforços conjuntos das duas maiores organizações Reploids da atualidade: os Caçadores de Mavericks e a Repliforce, que já lutaram juntas incontáveis vezes, tornando os dois exércitos amigos um do outro.

No entanto, tudo está para mudar quando uma figura misteriosa se aproxima do General, líder da Repliforce, e instaura uma grande conspiração que leva as duas organizações ao confronto. Após um grande incidente em Sky Lagoon, deixando uma cidade inteira destruída, os suspeitos passaram a ser a própria Repliforce, levando os Caçadores a pedirem que o outro exército baixasse a guarda, a fim de prosseguir a investigação.

Claro que o orgulho falou mais alto e a Repliforce acabou sendo declarada uma força Maverick pelos humanos. Mediante isso, General anuncia a criação de uma nação unicamente para os Reploids, frisando que não deseja qualquer tipo de mal aos humanos. Ainda assim, os Caçadores de Mavericks são ordenados a impedi-los, e a guerra começa.
Aviso: os próximos parágrafos possuem conteúdo considerado "spoiler" a respeito do meio e final do jogo.

Tudo de novo 

Após terem derrotado Sigma por inúmeras vezes nos eventos de Mega Man X, Mega Man X2Mega Man Xtreme, Mega Man X3 e Mega Man Xtreme 2, fazendo dele o vilão mais chiclete de toda a série X, Mega Man X e Zero se veem obrigados a entrar em mais uma missão que decidirá o destino do planeta. Muito embora a história tenha algumas pequenas alterações dependendo da escolha do personagem para se jogar, a trama principal permanece quase a mesma.

Depois de mostrarem que não estão ali para brincadeira e derrotarem alguns então proclamados Mavericks, os heróis são confrontados por uma mensagem de Colonel, o segundo no comando da Repliforce, na verdade um desafio a um confronto direto. X chega a lutar e até a derrotar o coronel, mas Zero, depois de uma pequena disputa de forças, é abordado por Iris, irmã do robô militar, que pede que os dois não briguem. Colonel se vê obrigado a atender o pedido, mas alerta que, na possibilidade de um futuro encontro, não será tão compreensivo.

Colonel luta com X.

Mais tarde, toda a Repliforce começa uma debandada para sua base espacial, que então se tornaria a nação Reploid, mas X e Zero chegam para impedir. Após lutar com Colonel, no entanto, este revela que é tarde demais e que a Repliforce já estava a caminho de Final Weapon, uma base com poder de fogo o suficiente para aniquilar toda a Terra.

É então que Iris e Double, que vinham auxiliando os heróis na aventura, se rebelam e partem para Final Weapon a fim de confrontar Zero e X, respectivamente. Iris busca vingança pela morte do irmão e, equipada com uma armadura gigante, enfrenta Zero. Já Double se revela um verdadeiro agente duplo, dotado também de duas formas, a original e uma mais alta e esguia, para a batalha, fazendo jus ao seu nome.

Que garota, hein?

Finalmente os heróis alcançam o general e, após uma luta que não o mata, mas o deixa severamente danificado, partem para confrontar a tal figura misteriosa, o verdadeiro mentor de toda essa conspiração. É claro que não poderia ser ninguém menos do que Sigma, que se prepara para destruir o planeta. Contando com uma forma que o faz parecido com um anjo da morte, sua forma original e, ainda, mais duas transformações que revelam os terrores do espaço, ele dá um bom trabalho aos heróis, mas acaba derrotado.

X e Zero, no entanto, se mostram incapazes de deter o disparo da arma, fazendo com que General se sacrificasse para tentar impedir a destruição do planeta. Assim, mais uma vez, tudo acaba bem para os nossos heróis.

E mais oito vilões

O esquema que consagrou a franquia da Capcom aqui é repetida sem nenhum pudor. Apesar disso, ao rumar para um dos oito estágios disponíveis logo de início, o jogador é contemplado com uma tela que mostra um pouco do porquê de os Caçadores de Mavericks terem designado aquele alvo em específico, dando uma certa profundidade ao que antes poderia ser visto simplesmente como uma caça aos insetos.

Por que sempre oito?

Além disso, cada estágio é, agora, dividido em duas partes. Uma vez na segunda parte, o robô só poderá voltar à primeira retornando à tela de seleção, já que, se perder todas as vidas, voltará para o início da segunda, dando uma verdadeira colher de chá para aqueles que não aguentavam mais ter de passar por toda a fase só para enfrentar aquele Maverick novamente.

Como não poderia deixar de ser, cada um dos chefes de fase concedem uma arma nova a X, que conta, também, com as cápsulas do dr. Light para melhorar suas habilidades e capacidades. Já Zero consegue as duas coisas apenas derrotando os Mavericks: novas habilidades e golpes, dependendo do mestre enfrentado.

Web Spider, o robô aranha, é quem protege a arma secreta na floresta, um grande canhão de raios guardado pela Repliforce. Também o chefe de uma unidade guerrilheira, ele já trabalhou com os Caçadores de Mavericks, fazendo parte da unidade especial 0. Ele ataca com teias que deixam os heróis paralisados e se esconde nas árvores acima de si, além de poder atirar pequenos robôs aranha. X obtém a arma Lightning Web ao derrotá-lo, enquanto Zero aprende o Raijingeki. Ele é fraco contra a arma Twin Slasher e contra a técnica Shipuuga.

Slash Beast, o robô leão, protege o trem militar com todos os equipamentos da Repliforce. Tendo se alistado no intuito de poder batalhar livremente com seus inimigos, ele não demonstra conhecer qualquer tipo de medo e ataca ferozmente a qualquer invasor não só com suas terríveis investidas, mas também com ondas de energia geradas por chutes voadores dignos de Guile. Mediante sua derrota, X obtém a arma Twin Slasher, e Zero aprende a técnica Shipuuga. Suas fraquezas são a arma Ground Hunter e a técnica Raijingeki,

Jet Stingray, a arraia antropomórfica robótica, e também um membro da marinha Repliforce, é acusado de ter atacado a estação elétrica de uma cidade, causando destruição geral, e ter fugido para o mar, onde tem sua base. Apesar disso, ele não mora em uma clássica "fase da água". Na verdade, ele pode ser considerado como dono da "fase da moto", já que, à exceção da batalha final, toda a fase se passa com um dos heróis pilotando uma moto voadora. Ele ataca com pequenas arraias cibernéticas, que também são a arma que concede a X, Ground Hunter, e com rápidas investidas aéreas, de certa forma a habilidade que concede a Zero, Hienkyaku. Ele é fraco contra a arma Frost Tower e contra a técnica Hyouretsuzan.

O robô morsa gigante, Frost Walrus, é o encarregado de proteger a arma secreta da Repliforce, em construção na base localizada nas neves. Ele sempre teve um temperamento muito agressivo, mas se livrou de ser chamado Maverick se unindo à Repliforce. Quando a rebelião começou, ficou muito feliz, pois poderia fazer tudo o que sempre quis. Ele ataca deslizando graciosamente no gelo, mas também tem o poder de criar uma grande nevasca e de atirar estalactites geladas. Zero utiliza estas estalactites na técnica Hyouretsuzan, e a arma que X ganha é a Frost Tower. Frost Walrus é fraco contra a arma Rising Fire e contra a técnica Ryuenjin. A curiosidade em seu estágio fica por conta dos Mavericks congelados que aparecem: Chill Penguin e Blizzard Buffalo, de Mega Man X e Mega Man X3, respectivametne.

Magma Dragoon, o robô dragão, é um traidor, visto que trabalhava na 14ª unidade dos Caçadores de Mavericks. Ele foi o responsável pela queda de Sky Lagoon, e se tornou um Maverick na esperança de um dia poder lutar contra X. Viciado em Street Fighter, ele ataca com Hadoukens e Shoryukens de fogo - literalmente, pois ele chega a gritar o nome dos golpes -, deixando Ryu e Ken no chinelo. Residindo no interior de um vulcão, ele é o único Maverick até então a permitir que o jogador o enfrente a bordo de um robô armadura, e concede a arma Rising Fire a X, enquanto Zero aprende a técnica Ryuenjin. Ele é fraco contra a arma Double Cyclone e contra a técnica Raijingeki.

Herdando o nome "storm" de um antigo Maverick derrotado por X, Storm Eagle, Storm Owl, o robô coruja, é um dos mais leais comandantes da força aérea Repliforce, chegando a considerar todos os seus compatriotas como familiares, e ficando extremamente desapontado com o rótulo de Mavericks que ganharam. Ele partiu com uma fortaleza espacial no intuito de conquistar os ares, e atacará os invasores com mergulhos rasantes e diversos ataques baseados no vento, como tornados e o Double Cyclone, que concede a X. Já Zero aprende a técnica Tenkuuha. Suas fraquezas são a arma Aiming Laser e a técnica Rakuhouha.

O robô pavão, Cyber Peacock, foi criado com o objetivo de proteger a rede virtual de ser corrompida pelos ataques de hackers. Após ser corrompido por Sigma, no entanto, passou ele mesmo a corromper a rede, chamando a atenção dos Caçadores. Sua fase possui um esquema muito interessante, pondo não só os robôs mas o jogador em testes nos quais só será possível passar para a próxima área obtendo uma nota "A" e conquistar itens e upgrades obtendo uma nota "S". Ele ataca sumindo e reaparecendo novamente no ambiente virtual e pode atirar as penas da cauda em uma explosão de luzes ou a partir de uma mira travada no inimigo. A explosão é convertida a Zero na técnica Rakuhouha, enquanto a mira parte para X na arma Aiming Laser. Ele é fraco contra a arma Soul Body e contra a técnica Ryuenjin.

Finalmente, Split Mushroom, o robô cogumelo, tomou o laboratório biológico abandonado e o trouxe de volta à ativa, também a fim de testar os heróis. Na verdade, antes do laboratório ser desativado, ele também trabalhava ali e só foi reativado por Sigma. Ele ataca criando cópias de si mesmo, habilidade que concede a X na forma da arma Soul Body, e rolando desenfreadamente pelo cenário, de onde Zero tira inspiração para a técnica Kuuenzan, mas também aprende a técnica Kuuenbu, o pulo duplo, ao derrotá-lo. Split Mushroom é fraco contra a arma Lightning Web e contra a arma Raijingeki.

Marcante por seu verdadeiro salto de qualidade em comparação à versão anterior, tanto nos aspectos gráficos quanto nos sonoros, Mega Man X4 é um game que, ainda hoje, merece ser jogado, proporcionando altos níveis de desafio tanto no modo de jogo com X quanto com Zero. Tendo versões para PlayStation, Sega Saturn e PC e relançamentos para PlayStation 2 e GameCube na coletânea Mega Man X Collection, não será difícil encontrar um console para tirar poeira em seu armário e dar uma chance para este fantástico game, ainda mais depois do anúncio de que o azulzinho original entrará para o combate no próximo game da franquia Super Smash Bros. O que acha, leitor?

Revisão: Catarine Aurora
Capa: Diego Migueis 
Thiago Pires é apaixonado por música e games, ex-graduando em Regência Coral na UFRJ, hoje trabalha como Auxiliar de Escritório, Chefe de Suporte, Gerente de TI, Diretor de Música e Trocador de Lâmpadas, além de escrever para o PlayStation Blast.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook