Jogamos

Análise: A combinação entre JRPG e Visual Novel deu muito certo em Hyperdimension Neptunia (PS3)

Quem costuma usar o Steam deve conhecer aquele hábito de comprar diversos jogos baratos e ter uma biblioteca onde jogou menos de 20% das o... (por Jameson Sheen em 11/10/2013, via PlayStation Blast)

Quem costuma usar o Steam deve conhecer aquele hábito de comprar diversos jogos baratos e ter uma biblioteca onde jogou menos de 20% das opções. Além do Steam, compartilho desse dilema com jogos físicos, pois sempre que tenho oportunidade de viajar ou de conseguir jogos mais baratos, eu compro, e muitas vezes eles ficam no plástico por meses (ou até um ano!). E foi desse destino que Hyperdimension Neptunia sofreu: eu li sobre o jogo, achei interessante, e assim que tive a oportunidade de comprar, o fiz. Mas não joguei. Só há uns dois meses atrás que tive a oportunidade de colocar esse disco em meu PlayStation 3. Alguns minutos depois disso, pensei: por que não joguei isso antes?


Fora de contexto o jogo perde seu valor 

Hyperdimension Neptunia foi desenvolvido pela Idea Factory em parceria com sua subsidiária Compile Heart. O jogo foi lançado no segundo semestre de 2010 no Japão e no começo de 2011 no ocidente. Quem já jogou outros jogos desses estúdios, e curte a cultura oriental, deve saber bem o que esperar do jogo. Entretanto, li muitas análises negativas de lá para cá sobre o Hyperdimension Neptunia. Muitas das críticas se dão sobre a qualidade técnica do jogo, que realmente não é a melhor, mas que também não se equipara ao baixíssimo nível de Time and Eternity (PS3), que analisei aqui semanas atrás. Hyperdimension Neptunia é envolvido por muitas piadas e referências que são realmente de difícil compreensão para o público ocidental, que normalmente não sabe se contextualizar muito bem sobre a cultura nipônica.

Se você tem pouco mais de vinte anos, deve se lembrar da época do Sega Saturn e do PlayStation. Os títulos mais fortes do Sega Saturn ficaram pelo Japão, e mesmo que dessem as caras por aqui, haveriam muitas chances de o público não os entender. Hyperdimension Neptunia faz muitas referências ao Sega Saturn e ao projeto "Sega Neptune" que dá nome ao jogo e à protagonista. Então, se você não gosta de cultura oriental, pode até achar o jogo um pouco "estranho". Mas se você ao menos gosta de animes, e/ou jogou Visual Novels, há fortes chances de também gostar deste jogo. Claro, isso falando de um modo geral, pode ser que alguém que desconhece a cultura oriental por completo acabe por gostar do jogo também.

O nome passa uma presença maior que o jogo 

Exatamente. Ao ler o nome "Hyperdimension", eu não sei vocês, mas eu esperei algo incrível, algo fantástico, algo talvez até com luzes e efeitos surreais. E o jogo até tenta fazer isso, mas é muito mais simples do que pode parecer. Ele não tem muitas músicas, e as poucas que tem não fazem grande diferença nos momentos que deveriam fazer. O engine usado no jogo é o PhyreEngine, que é usado em jogos muito interessantes para PSP e PS Vita - onde quase todos têm esse visual que lembra as animações orientais. Mas aí está um ponto: a maioria desses jogos usa bastante artes, desenhos e poucos modelos 3D – algo que Hyperdimension Neptunia chega a abusar, e isso é um perigo.

Curiosamente, os jogos da thatgamecompany foram desenvolvidos com esse engine. Flower, flOw e Journey são bem populares e... bonitos. Não? Em Flower podemos ver o potencial do motor gráfico, e isso nos faz pensar que ele foi desenvolvido em algo totalmente diferente do Hyperdimension Neptunia. E então, por qual razão isso acontece? Acredito que seja a própria escolha da Idea Factory. Eles tentaram lembrar ao máximo aquela parte "anime" e deixaram os modelos 3D dessa forma. E olha: o modo Visual Novel do jogo está incrível, muito bonito.

Hora de mergulhar na hiperdimensão, ou tentar 

A história de Hyperdimension Neptunia não é tão profunda. Neptunia é uma das quatro deusas do jogo, e está com amnesia (o que sempre é bem conveniente em jogos). Com a ajuda de suas amigas, ela irá resolver um evento chamado "Console Wars". É, é isso. Como se não bastasse esse nome e a protagonista ser baseada em um console da Sega (que não foi comercializado), há quatro locais baseados nesses consoles. Além da terra de Neptunia, Planeptune, há a terra de Lastation (inspirada no PlayStation), Lowee (inspirada no Wii) e Leanbox (o nome já deixou bem óbvio). Engraçado como Lastation é toda "steampunk", enquanto Lowee é cheia de neve (lembrando o tom branco do Wii) e Leanbox é cheia de grama. A história é tão estereotipada que acaba virando uma brincadeira divertida, na qual você vai começar a rir e quando menos perceber já finalizou.

Esse é um ponto bom! A história não é curta o suficiente para decepcionar, mas também não achei grande demais para cansar. É um tema bobo, sem compromisso, e, consequentemente, divertido. Ah, não posso deixar de citar o nome das deusas, que mais uma vez fazem referência aos consoles: Noire (PS3), Blanc (Wii) e Vert (360). Curiosamente, Neptunia é conhecida também como "Purple Heart". Eu imaginaria a cor azul para SEGA, não roxo. Mas tudo bem.

Vale citar que as conversas têm diferenças relevantes do inglês para o japonês, mas não chega a ser nada que mude o sentido da história. É uma pena que algumas conversas (a maioria) não tenha áudio: os personagens apenas piscam os olhos.

Sob controle da guerra de consoles 

Mas é colocando o controle em mãos que vocês podem realmente ter a experiência que Hyperdimension Neptunia pode oferecer. O jogo pode ser visualmente bonito como Visual Novel, mas mesmo deixando a desejar no visual dos modelos 3D, esse é, em minha opinião, o lado mais forte do jogo. O sistema de combate é simples e intuitivo. A personalização do jogo é absurdamente vasta. Você pode personalizar o nome de habilidades, combos, itens, e até o visual dessas habilidades. O jogo é compatível com o PS Eye, então vocês podem tirar fotos e usá-las como imagem de habilidades. Isto faz de Hyperdimension Neptunia praticamente um mod.

Infelizmente, não enfrentamos inimigos tão desafiadores. Não senti necessidade de fazer grinding, mas também não achei os inimigos realmente perigosos. E digo infelizmente porque o sistema de combate é muito gostoso de usar, tanto que ele até me despertou uma vontade de jogar um multiplayer competitivo, mas Hyperdimension Neptunia não se leva tão a sério para ousar tanto assim, e é single player.
Hyperdimension Neptunia é um jogo que deve ser jogado especialmente pelos fãs de animação japonesa. Se você é fã da SEGA e viveu a época do Sega Saturn, é um pecado não jogar.  Podem confiar na qualidade da Compile Heart, ainda mais pela experiência deles com adaptações de animes como Jigoku Shoujo e Rosario to Vampire.

Prós


  •  Visual Novel é divertida e agradável;
  •  O sistema de combate é intuitivo e simples;
  •  Diversão na dose certa: jogo nem muito curto, nem muito longo.


Contras


  •  Você precisa estar contextualizado para aproveitar a experiência;
  •  Os modelos 3D poderiam ser mais detalhados;
  •  Senti falta de uma trilha sonora mais envolvente em momentos-chave.


Hyperdimension Neptunia - PlayStation 3 - Nota: 8.0

Revisão: Samuel Coelho
Capa: Douglas Fernandes
Jameson Sheen é programador e estuda Game Design. Investe seu tempo livre aprendendo novos idiomas e novos instrumentos musicais. Além de análises e outros artigos, escreve para coluna semanal Pokémon Blast. Você pode ler mais sobre Sheen em seu Twitter.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook