Hands-on

Driveclub (PS4) promete, mas ainda não empolga

Nesta semana, publicamos uma prévia de Driveclub , o jogo que promete ser o primeiro grande simulador para o PlayStation 4. Durante a B... (por Gabriel Vlatkovic em 27/10/2013, via PlayStation Blast)


Nesta semana, publicamos uma prévia de Driveclub, o jogo que promete ser o primeiro grande simulador para o PlayStation 4. Durante a BGS, tivemos a oportunidade de testar o referido título para tentar comprovar se tudo o que foi prometido pela Evolution Studios se tornará realidade ou se a ideia de uma rede social para aficionados por carros não passa de mais uma tentativa sem sucesso de inovação no gênero.


Sozinho, mas em grupo!

A demonstração testada consistia em um time trial por uma pista cercada por lindíssimas árvores e cheia de curvas fechadas. Nele, a primeira coisa a se fazer é tirar uma fotografia para criar o perfil do jogador que tentaria um bom tempo na pista, para que assim o recorde fosse disponibilizado para os próximos competidores tentarem bater. Logo que o trajeto se iniciou, fui surpreendido por alguns fantasmas de competidores correndo lado a lado comigo pela pista.

Seus recordes são sempre compartilhados com a comunidade, que tentará superá-los!
As provas de Driveclub são completamente integradas à comunidade criada para o jogo, de maneira que as melhores pontuações de cada parte da pista são exibidas em tempo real, com o avatar de quem as realizou. Funciona mais ou menos assim: ao chegarmos a uma curva muito fechada, nos deparamos com a foto de um jogador com a pontuação realizada em uma manobra de derrapagem naquele ponto da pista, e isso vai acontecendo a cada micro evento em que participamos durante todo o trajeto. Com essa abordagem, o título faz com que o jogador não se preocupe apenas com o tempo do percurso, mas também com as pontuações que pode fazer durante a corrida para que seus adversários sejam superados.

Um simples time trial pode possuir diversos desafios!
Contudo, não ficou claro como, ou se, os ex-recordistas são avisados quanto à perca de posição em relação a outro jogador que o superou, mas certamente isso será esclarecido conforme a data de lançamento do jogo − que está previsto para o primeiro trimestre do ano que vem – se aproxima.

Dirigindo com cuidado

Para os que estão acostumados a jogos de corrida com um estilo mais descompromissado, DriveClub pode decepcionar, pois exige que os jogadores dirijam com cuidado para que o carro não derrape ou saia da pista. Seguindo um estilo mais voltado aos adoradores de Gran Turismo, o jogo é impiedoso com erros por parte do motorista. Até pegar o jeito com os controles, deixei meu carro rodar algumas vezes, o que causou um pouco de frustração, que logo foi recompensada quando comecei a pegar o jeito para controlar o veículo. Após este momento inicial, meu carro corria com facilidade pela pista, realizando curvas precisas e derrapagens eletrizantes.


Nova geração?

DriveClub é inegavelmente um jogo belo, mas não tanto quanto muitos gostariam. Apesar de bonitos e detalhados, os gráficos do jogo não faziam muito mais do que Gran Turismo 6 (PS3), que também estava jogável. As pistas eram detalhadas, mas as famosas árvores de papel ainda marcaram sua presença em alguns pontos do trajeto, assim como alguns serrilhados, que apareciam eventualmente.

Bonito sim, perfeito não
Mesmo assim, o jogo rodava sem nenhuma lentidão e mostrava a capacidade do PlayStation 4 em rodar, sem dificuldade alguma, uma imensa quantidade de detalhes ao mesmo tempo na tela do jogo. Ao contrário dos cenários vazios que muitos jogos de corrida possuem, a pista em que competi era cheia de elementos, exibindo desde árvores e montanhas, até uma pequena cidade com pessoas pelas ruas acompanhando a competição.

A nova referência em simulação?


Ainda é cedo para dizer que DriveClub tirará o trono de jogos como Gran Turismo e Forza, mas ainda assim, o jogo possui funcionalidades online que prometem inovar bastante a forma de se jogar títulos de corrida com pessoas de todo o mundo. Por necessitar de alguns refinamentos na parte gráfica e no seu robusto modo online, é de se entender a razão pela qual o título − que antes seria lançado junto com o console − foi adiado. Como sabemos, mais vale um jogo de qualidade lançado em seu devido tempo do que um jogo com grande potencial, mas que é mediano porque foi lançado às pressas.

Revisão: Samuel Coelho
Capa: Daniel Machado
Gabriel Vlatkovic é economista formado pela Unicamp. Trabalha como Analista de Finanças e joga videogames há quase vinte anos. Adora ouvir música, assistir a filmes e seriados e discutir a Timeline de Zelda. Quando não está trabalhando, está no Facebook.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook