Vem aí

Prévia: Conheça The Evil Within, o primeiro grande survival horror do PlayStation 4

Shinji Mikami , a mente por trás da série Resident Evil , é considerado por muitos o criador do gênero survival horror. E não é para me... (por Gabriel Vlatkovic em 03/11/2013, via PlayStation Blast)


Shinji Mikami, a mente por trás da série Resident Evil, é considerado por muitos o criador do gênero survival horror. E não é para menos, já que os jogos de terror não eram muito populares ou de qualidade até a aparição da mansão infestada de zumbis em Raccoon City. Entretanto, o gênero vem se perdendo muito com o passar dos anos, com lançamentos mais voltados para a ação do que para o terror, propriamente dito. Após o lançamento de Resident Evil 4, considerado por muitos um dos melhores jogos de todos os tempos, Mikami abandonou a Capcom e passou a trabalhar na Clover Studios, que mais tarde se tornou a Platinum Games, lar de mentes geniais como a de Hideki Kamiya (Bayonetta). Mas algo ficou faltando. Fã incondicional de histórias de terror, Mikami sempre desejou retornar às suas origens e criar algo tão aterrorizante quanto a franquia que lhe deu fama. A solução: criar um novo estúdio e iniciar a produção de The Evil Within, um thriller de terror psicológico que promete trazer o medo de volta aos videogames.


Chacina no hospício

Pouco foi revelado do enredo do jogo, que promete usar e abusar do terror psicológico como recurso para assustar os jogadores. Tudo o que sabemos é que após um assassinato em massa em um hospício, um detetive chamado Sebastian Castellanos vai ao local com seu time, formado por Joseph Oda e Julie Kidman, conhecida por seus parceiros como Kid. Ao chegar à entrada do local, os três se deparam com carros de polícia vazios e suspeitam que algo pode ter acontecido, já que não havia ninguém para recebê-los na cena do crime. Ao entrar na clínica, o trio encontra cadáveres e poças de sangue por todos os cantos e Sebastian é golpeado na nuca por um ser misterioso.

O detetive chega ao local do crime
Ao acordar, o detetive se vê pendurado de cabeça para baixo enquanto um brutamontes está fatiando restos de pessoas. Após uma fuga desesperadora, Sebastian sai da clínica e descobre que uma grande cratera engoliu todas as viaturas policiais e que a cidade está em ruínas. Seria uma alucinação? Ainda é muito cedo para saber. O que fica claro é que, durante sua jornada, Sebastian terá de enfrentar seus medos, receios e um elenco assustador de seres macabros para conseguir solucionar o caso, que parece ir muito além de uma chacina em uma clínica psiquiátrica.

Eis o primeiro grande inimigo de Sebastian. Prepare-se para momentos de tensão!

Balanceando o horror e a ação

Como todos sabemos, os jogos de terror vêm sendo desmerecidos em prol de títulos mais voltados à ação, como é o caso da própria franquia Resident Evil. Contudo, Mikami diz saber que este não é o ideal e está tentando fazer com que seu novo jogo siga por outro caminho. Mais ao estilo Resident Evil 4, o título parece saber balancear melhor tiroteios com momentos de supense. Mikami afirma que Sebastian terá uma quantidade limitada de recursos e terá que atravessar ambientes claustrofóbicos e agonizantes para sobreviver. Contudo, dada a tecnologia atual, o desenvolvedor acredita que é possível causar medo sem que a jogabilidade seja prejudicada, como no caso de Resident Evil, em que controlar os personagens era um dos grandes desafios da jornada. Por isso, a câmera do jogo estará posicionada por detrás dos ombros de Sebastian, remetendo diretamente aos jogos de “terror” vistos atualmente, com a diferença que, dessa vez, as hordas de inimigos parecem menos frequentes.

Mesmo com momentos voltados a ação, o jogo promete assustar
Para os que já estão desconfiados quanto às promessas do desenvolvedor, fiquem tranquilos: a câmera do jogo é o único fator que remete aos jogos atuais. Mikami buscou fortes influências em sua obra ao longo dos anos, assim como em clássicos do terror como o icônico “O Iluminado”, de Stephen King. Em uma cena divulgada em um dos trailers do jogo, Sebastian está caminhando em um corredor quando uma porta abre e um rio de sangue vem em sua direção. Ao atingir o detetive, ele é transportado para outro lugar e se depara com um monstro horripilante. Mikami diz estar fazendo o possível para que o jogo consiga balancear ação e terror, já que, em sua concepção, um legítimo survival horror só pode ser criado quando se segue à risca esse padrão de design.

Transição de gerações

The Evil Within será lançado no final do ano que vem para PlayStation 3 e 4, caracterizando-se como mais um jogo de transição entre gerações. Por isso, não espere um jogo com gráficos de outro mundo, mas sim um jogo muito bonito, como estamos acostumados a ver em nossos consoles atuais. A versão para PlayStation 4 contará com texturas em altíssima definição, assim como com a utilização de efeitos de iluminação mais realistas, mas o jogo poderá ser bem aproveitado em qualquer uma das plataformas, o que é excelente, se considerarmos o preço no Brasil do novo console da Sony.

Apesar de belos, os gráficos não parecem evoluir muito em relação ao que temos hoje...

A volta do terror?

Ainda é cedo para saber se The Evil Within marcará o retorno de um gênero muito querido outrora mas que hoje está caindo no esquecimento. Contudo, temos que lembrar que o responsável pelo título é quem praticamente criou o gênero há quase 20 anos. Desta forma, mesmo que não tenhamos o melhor título de terror de todos os tempos, com certeza jogaremos um título de qualidade, que se não assustar, ainda assim deixará todos muito tensos e ligados no enredo, que promete ser incrível!


The Evil Within (PS3/PS4)

Desenvolvimento: Tango Gameworks
Gênero: Survival Horror
Lançamento: Quarto trimestre de 2014
Expectativa: 4/5

Revisão: Samuel Coelho
Capa: Stefano Genachi
Gabriel Vlatkovic é economista formado pela Unicamp. Trabalha como Analista de Finanças e joga videogames há quase vinte anos. Adora ouvir música, assistir a filmes e seriados e discutir a Timeline de Zelda. Quando não está trabalhando, está no Facebook.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook