Jogamos

Análise: Rise of the Tomb Raider: 20 Year Celebration (PS4) traz a Lara definitiva

A edição especial em comemoração aos 20 anos da franquia não poderia empolgar mais.

Quase um ano após o lançamento para o Xbox One, Rise of the Tomb Raider chega ao PlayStation 4 em uma edição especial de comemoração aos vinte anos da franquia. Rise of the Tomb Raider: 20 Year Celebration é a versão completa do jogo desenvolvido pela Crystal Dynamics e publicado pela Square Enix, que conta com todos os conteúdos lançados para o game. Se há um ano já havia sido bem recebido pela crítica, o conjunto que conta com toda a bela essência da sua primeira versão mais algumas adições especiais, o tornam ainda melhor.


Uma experiência incrível

Em Rise of the Tomb Raider: 20 Year Celebration não há mudanças no enredo da história principal. Lara está em busca de um artefato que concede imortalidade, na cidade de Kitezh na Sibéria. Sua motivação é o seu pai, que nunca foi levado a sério pelos companheiros de profissão por acreditar na existência de tal artefato. Lara decide que deve procurá-lo para devolver a credibilidade de Croft. É claro que sua jornada não poderia ser facilitada, além da luta para sobreviver em um ambiente ameaçador, Lara também deve enfrentar uma organização sem boas intenções, a Trindade, que está buscando o mesmo artefato.

Apesar de parecer um tanto quanto clichê, há de se dizer que a história é muito envolvente do início ao fim. Tudo com um jeito bem Lara Croft de ser: alternando entre momentos de escaladas, ações frenéticas e cutscenes com partes da história. A única ressalva em termos de mecânica fica para o ajuste da física da movimentação da personagem. Quem está acostumado com outros jogos que possuem esse tipo de mecânica — Uncharted 4: A Thief’s End —, terá uma certa dificuldade inicial de entender até onde vai o pulo. É bem comum o jogador pensar que não vai conseguir alcançar a outra plataforma e magicamente ter êxito.

Se você jogou o reboot de Tomb Raider lançado em 2013, sabe exatamente como se comportam os controles de Rise of the Tomb Raider: 20 Year Celebration. No entanto, é muito interessante observar como o jogo é capaz de ir acrescentando novas habilidades e novas maneiras de vencer os obstáculos do cenário até o fim. Em geral, jogos costumam apresentar todas as suas mecânicas nas primeiras horas de jogatina. Aqui, isso ocorre de maneira diferente, ao longo de todas as horas de jogo, o que aumenta a vontade de continuar sempre buscando novas formas de ultrapassar obstáculos que foram deixados para trás por ainda não ter desenvolvido certas habilidades para explorá-los.

As grandes novidades

Se Rise of the Tomb Raider já poderia ser considerado um dos principais títulos da atual geração de consoles, a edição 20 Year Celebration vem para confirmar este fato. A adição de um novo modo de dificuldade, o "Sobrevivente Extremo", eleva o nível da exploração aos jogadores mais entusiastas. Se em suas dificuldades mais baixas o game já não deixa a desejar no desafio, neste modo mais intenso é que as coisas podem sair um pouco mais complicadas que o usual, te obrigando a tentar ser o mais furtivo possível antes de pensar em trocar tiros com os inimigos.

Outro fato inédito para a edição especial é a presença de um modo multiplayer online cooperativo “Resistência”, que também pode ser acessado em single player. Apesar da ideia ser muito boa, tive uma grande dificuldade de conseguir encontrar partidas com outros jogadores. O ideal aqui, talvez seja marcar com um amigo para jogar, já que a comunidade não parece estar tão interessada assim. O modo é bem divertido, os dois jogadores devem se preocupar com o nível de fome e de aquecimento corporal de cada um dos seus personagens, ou seja, enquanto tentam sobreviver aos perigos das geleiras, os jogadores precisarão descobrir cavernas, acender fogueiras para se aquecer e caçar animais para saciar sua fome.

O conteúdo adicional

As expansões "Baba Yaga: O Templo da Bruxa" e "A Escuridão Fria" acrescentam mais algumas horas de diversão. Se passam em localidades diferentes da campanha principal, mas usam todos os recursos técnicos aprendidos anteriormente. Além destas, a campanha "Laços de Sangue" leva o jogador a explorar a incrível e luxuosa Mansão Croft. É perceptível a atenção que o cenário recebeu dos desenvolvedores, um verdadeiro presente para os fãs da franquia. Com cerca de três horas de duração, "Laços de Sangue" mostra um pouco mais da infância de Lara Croft e traz várias referências aos seus primeiros jogos, imperdível.

Foi justamente nesse conteúdo que foi introduzido a compatibilidade com o PlayStation VR, já que em "Laços de Sangue" o entretenimento fica por conta da exploração e descoberta, sem combates ou momentos com mais ação. Infelizmente, não pude testar o recurso por ainda não ter o equipamento de realidade virtual. Porém, isso demonstra um interesse cada vez maior das produtoras de aproximar o público que está muito interessado em usufruir da nova tecnologia.

Para fechar os conteúdos adicionais, há o modo "Pesadelo de Lara" em que a ação fica toda a cargo de defender a Mansão Croft de uma invasão zumbi. O que é mais legal desse modo é a quantidade de customizações que o game traz ao jogador. Durante a toda a campanha principal, os jogadores recebem pacotes de cartas com customizações, esses pacotes podem ser usados em quase todos os modos do jogo (adicionais ou não), mas foi aqui que eu fiz esse teste. Foi bem divertido e engraçado jogar com uma Lara Croft versão clássica — toda poligonal — e deixar os zumbis cabeçudinhos para facilitar os tiros na cabeça.

Efeitos sonoros de tirar o fôlego

De todas as características de Rise of the Tomb Raider: 20 Year Celebration, a que mais me chamou a atenção foi o tratamento dos efeitos sonoros. Ao longo da minha experiência com o PlayStation 4, vi poucos jogos usarem tão bem o recurso do alto-faltante do DualShock 4 quanto este jogo utiliza. Em vários momentos no decorrer da história o som do controle era usado de forma ímpar, de um jeito que ia aumentando o volume aos poucos conforme Lara se aproximava de um tiroteio, por exemplo. A noção de distância dos acontecimentos ficou muito clara pelo som “ao longe” e às vezes mais de perto, o ajuste está perfeito. Foi algo bastante impressionante e que também é exclusivo para esta versão.

De modo geral, Rise of the Tomb Raider: 20 Year Celebration celebra de maneira muito empolgante os vinte anos da franquia. É um título que merece um lugar especial na estante de qualquer jogador de videogame atual. Seus momentos são bem intercalados e não há quebras de ritmos perceptíveis. Para aqueles que não tiveram a oportunidade de jogá-lo no Xbox One, fica a recomendação de aproveitar todos os conteúdos de uma só vez nessa versão completa. Além disso, é uma boa porta de entrada para quem ainda não conhece a franquia e curte o gênero de tiro em terceira pessoa. Com seus elementos de exploração e sobrevivência, o jogo está muito longe de ser uma experiência entediante.

Prós

  • Enredo bastante envolvente;
  • Novo modo de dificuldade “Sobrevivente Extremo";
  • Modo multiplayer cooperativo muito interessante;
  • Conteúdos adicionais proporcionam mais horas de jogo;
  • Compatibilidade com o PlayStation VR;
  • Cartas para customizar missões;
  • Efeitos sonoros sensacionais.

Contras

  • Física de escalada é estranha em alguns momentos;
  • Dificuldade de encontrar jogadores no multiplayer cooperativo.
Rise of The Tomb Raider: 20 Year Celebration — PS4 — Nota: 9.0
Ana Krishna Peixoto é formanda em Ciências Econômicas pela UERJ. No Blast, é redatora e revisora. Suas paixões são os esportes (sobretudo o futebol e o jiu-jitsu), os livros, a escrita e os videogames. Fã de PlayStation, não nega sua queda pela Nintendo. Pode ser encontrada no Twitter.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook