Blast from the Past

Blast from the Past: Fighting Vipers (Arcade/PSN)

A SEGA resolveu relançar alguns de seus clássicos de arcade em consoles modernos e Fighting Vipers é um deles. O jogoá havia sido lançad... (por Lílian Moreira em 01/02/2013, via PlayStation Blast)


A SEGA resolveu relançar alguns de seus clássicos de arcade em consoles modernos e Fighting Vipers é um deles. O jogoá havia sido lançado para o saudoso Sega Saturn, mas o que o deixou famoso mesmo foram os fliperamas. Em uma época onde o objetivo do desenvolvedor não era passar a mão na cabeça do jogador, e sim fazê-lo suar (e gastar mais fichas). No entanto, os jogos produzidos nesse estilo geralmente eram curtos. No PlayStation 3 pelo menos temos a adição de infinitos "continues", e de alguns troféus para nos alegrarmos pouco a pouco. Quem passou a infância se divertindo nas maquininhas vai poder relembrar essa época feliz com esse título em casa junto da galera.

Quase tudo igual ao original


Pra começar, só usamos, essencialmente, três botões: defesa, soco e chute. No PlayStation também são três botões, além dos direcionais, e o resto vira repetição de botão ou algumas das combinações mais comuns (e fáceis). A tela também se recusou a evoluir. Os gráficos são praticamente os mesmos, portanto, nada de remake em HD e nem sequer há a presença de um bom filtro de upscaling para aumentar a tela, que ocupa apenas uma parte central da TV, o resto é uma moldura azul. Bom para os saudosistas.


As músicas são animadas, mas não tenho motivo para crer que são novas, ou mesmo remasterizadas, até pelo estilo antigão e pela falta de inovação dos outros aspectos. Mas é interesante que podemos trocá-las ao toque de uma tecla e escolher a mais divertida, trocar várias vezes ou até escolher ficar em silêncio.

O lado das inovações fica por conta do multiplayer online, o que é bem legal, apesar de infelizmente ter poucos participantes. Dependendo do horário é bem difícil encontrar outros jogadores. O multiplayer em geral permite mais diversão, estratégia e aquela habilidade em ler a outra pessoa, seja um amigo do seu lado na sala ou um player aleatório em outro lugar do mundo.


Armaduras e combos para diversificar a luta


O combate tem seu principal diferencial nas armaduras, que começam inteiras com o jogador, mas determinados golpes a enfraquecem e a destroem. Existem armaduras pra parte de cima e de baixo do corpo, e quando elas são quebradas os golpes tiram muito mais do que o normal da energia do personagem. Pra completar, elas não são renovadas a cada round, apenas a cada partida.

Difícil mesmo é lembrar todos os golpes. As combinações listadas passam dos 60 combos por personagem, sendo que há nove jogáveis. É quase impossível ganhar o modo Arcade (ou Single Player) sem saber pelo menos alguns deles.


O cenário e os personagens são variados, mas a maioria deles é construída adotando-se um estilo bem urbano. Há um skatista que usa como arma o próprio skate, um roqueiro (por sinal, chamado Raxel, lembra alguém?), uma oriental, pra não fugir do clichê, e por aí vai. Lutamos sempre em alguma forma de grade, fechada nos quatro lados. No último golpe, dependendo da intensidade com a qual o jogador vencido é acertado essa barreira pode se quebrar e o adversário nocauteado é jogado pra bem longe. Os cenários variam de aeroporto, velho oeste e até o topo de um prédio. Este, por sinal, é da última fase, e advinha pra onde vai o personagem perdedor?

Revisão: Samuel Coelho


é graduada em Letras e mestranda em Comunicação. É redatora do PlayStation Blast e TechTudo. Quando não está escrevendo nem jogando passa seu tempo lendo, traduzindo e tocando. Às vezes aparece no Twitter ou Google+.

Comentários

Google
Disqus
Facebook