Blast from the Past

Jackie Chan Stuntmaster (PS1): você na pele do mestre da pancadaria

Jackie Chan Stuntmaster coloca o jogador de forma bastante fiel na pele do de um dos maiores atores marciais da história.



Antes deste, o astro Jackie Chan já havia estrelado vários outros jogos. Desde a geração 8 bits, com o Jackie Chan’s Action Kung Fu do Nintendo, até o jogo inspirado em sua série animada, Jackie Chan Adventures. Também um sofrível e dificílimo Mortal Kombat clone foi feito para o astro chinês nos arcades, trata-se do The Kung-Fu Master Jackie Chan, produzido pela Kaneko.

Porém nenhum outro jogo colocou você dentro de um filme do nosso amado Jackie de forma tão fidedigna quanto o Jackie Chan Stuntmaster. Toda movimentação e ação do jogo são inspiradas nos vários filmes do astro e isso permitiu que o jogador realmente se sentisse na pele de Chan, fazendo este um dos mais divertidos Beat ‘em Up da 5ª geração de consoles.

História




O game tem uma história muito simples. Jackie trabalha para o seu avô como entregador e lhe é incumbida a tarefa de entregar um pacote para o templo Shaolin de Artes Marciais. Enquanto jantava em um restaurante Jackie percebe que cinco estranhos se aproximam discretamente de seu avô o interrogando de forma bastante suspeita.

Quando os estranhos percebem que Jackie os observava, eles levam o seu avô à força para dentro de uma limusine, começando uma perseguição frenética no melhor estilo do herói, com várias acrobacias e corrida parkour.

Porém, nesta perseguição, Jackie acaba perdendo o pacote entregue pelo seu avô e, em seguida. encurralado em um beco sem saída. A partir daí inicia a sua busca para resgatar o seu avô e reaver o misterioso pacote para entregar ao Templo Shaolin.

Desenvolvimento e curiosidades

O jogo foi lançado em 2000, desenvolvido pela Radical Entertainment e publicado pela Midway Games. Seguindo a linha clássica dos Beat ‘em Up da década de 1990. Sua história simples serve apenas de pano de fundo para a pancadaria. Focando muito mais na jogabilidade, o game ficou muito divertido, principalmente com o uso de combinações de combos e golpes utilizados pelo próprio Jackie Chan em seus filmes.





Por outro lado o nível dos gráficos ficou muito a desejar. Com poucos detalhes nos polígonos e CGI quadradona, muito mais feia que os gráficos do próprio jogo. Comparando com os gráficos do Spider-Man, lançado no mesmo ano, que teve muito mais detalhes e CGIs muito bem trabalhadas. Mesmo assim, essa deficiência gráfica não influi em nada no gameplay, pois o jogo é divertidíssimo e com uma movimentação muito real, fidedigna aos movimentos do próprio Chan quando comparamos à toda coreografia produzida em seus filmes.

Todo esse detalhismo na movimentação do personagem se deve ao próprio Jackie Chan. Toda sua movimentação foi feita por captura de movimento do ator chinês. Jackie participou ativamente do processo do jogo, fez toda sua movimentação, sequência de golpes, todo o balé do jogo se deve à participação do astro na confecção do jogo.



Outra curiosidade é que, ao zerar o game, os produtores acrescentaram várias cenas pós-créditos mostrando “erros de gravação”. Os filmes de Jackie Chan são famosos por mostrarem esses erros nos créditos finais. Nosso protagonista é famoso por nunca usar dublês, nem mesmo nas cenas mais perigosas, o que lhe custou algumas fraturas e quase uma morte.

Então o intuito de acrescentar essas cenas no jogo foi de continuar com essa tradição dos trabalhos de Jackie, além do mais, isso trouxe uma imersão muito maior, pois fez tornar muito mais verossímil a sensação de estar dentro de um filme de Jackie Chan.  

Gameplay

O ponto mais forte deste jogo é o seu gameplay. É incrível como os produtores conseguiram capturar todo o clima dos filmes de Jackie Chan. Além do mais, toda a captura de movimento do personagem foi feita pelo próprio Chan, o que trouxe um realismo maior ainda ao game.






Na hora do combate, além de chutes e socos, o jogador pode pular, agarrar e contra-atacar o seu oponente. A sequência de golpes é impressionante. Para escapar de um golpe, o rolamento era sempre uma boa saída, até você encontrar um espaço livre para executar os seus movimentos.

Outro ponto forte era a possibilidade de utilizar o cenário para atacar seus inimigos. Entre as opções, é possível usar vassouras, cadeiras, mesas e até um peixe-espada.

Um fator interessante são os easter eggs. No decorrer das fases estão escondidas várias máscaras de dragão vermelho, ao coletar dez delas você poderá entrar em uma fase bônus dentro de um templo shaolin, ao finalizá-la aparecerá imagens de bastidores do jogo, mostrando o próprio Jackie Chan gravando as capturas de movimento e também falando sobre o seu desenvolvimento.

Beat ‘em Up de respeito


Jack Chan Stuntmaster é sim um grande Beat em Up. Um jogo que continua divertidíssimo, mesmo 18 anos depois do seu lançamento, que soube capturar muito bem a obra cinematográfica de Jackie Chan e transportá-la de forma fiel aos consoles caseiros.



A participação do próprio Jack só abrilhantou mais este game, trouxe mais realismo às suas movimentações, pois cada chute, cada pulo e cada golpe que você vê ali, foram feitos pelo próprio Jackie Chan.

Mesmo com gráficos pouco elaborados o jogo é muito bom, e com o passar do tempo ele continua assim, divertido de se jogar, transformando-se sim em um dos grandes Beat em Ups já feitos e confirmando mais uma vez que um bom jogo não precisa, necessariamente, de grandes gráficos, um bom jogo só precisa ser divertido.
Lúcio Amaral é jornalista e advogado, músico por paixão e gamer desde que se conhece por gente. Sua paixão pelos videogames começou na segunda metade dos anos 1980 quando teve seu primeiro videogame, um Philips Odyssey - ou Odyssey² - quando tinha 7 anos. Acompanhou, com muito entusiasmo, todo caminhar tecnológico e assumiu uma paixão pela Sega, sem deixar de flertar sempre com a Nintendo. Hoje é colecionador com um acervo que vem desde a segunda geração de consoles aos mais atuais e encontrou no Blast uma maneira de compartilhar toda sua paixão e convívio com esse fantástico mundo dos videogames.

Comentários

Google+
Disqus
Facebook